Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAUSOS DA BOLEIA - O QUE TEM QUE SER SERÁ

CAUSOS DA BOLEIA - O QUE TEM QUE SER SERÁ
  - Tava tudo preparadinho: a bacia com água fervida, os paninhos, o iodo, o álcool, a tesoura...  Só esperando a hora. Quando ela disse que tava chegando, eu fui correndo buscar a parteira, mas ela não tava lá, tinha ido pra cidade ver uma filha que não tava passando bem. O jeito que encontrei foi correr pra estrada procurar por socorro. O primeiro carro que passou foi o caminhão do senhor. Ajuda a gente pelo amor de Deus, senão a criança vai sair aqui na rua e não sei como vai ser.
- Tá bem dona! Entra logo aí e vamos procurar ajuda. Tomara que dê tempo pra chegar ao posto médico.
Então elas entraram no caminhão, a mãe e a filha em processo de parto. Deveria ter uns vinte e cinco anos. Saí com o caminhão o mais depressa que pude.
- Meu nome é Rui Barbosa, mas podem me chamar de Rui – eu falei.
- O meu nome é Rosalina e o dela, da minha filha, é Marluce – disse a mãe. – Eu tinha um conhecido que também se chamava Garbosa como o senhor, mas ele já morreu, Deus o tenha.
- Mas o meu nome não é Garbosa, é Barbosa. Meu pai resolveu  homenagear  a um homem célebre da história do Brasil, mas a senhora não deve ter ouvido falar nele.
- Ah, Desculpe! Eu entendi o senhor dizer Garbosa. Esse seu Barbosa eu não conheci.
- É o primeiro neto da senhora? – Perguntei.
- Não, só dela eu já tenho mais o Mauro e o Marquinho. No total são oito.
-Tá certo, sim! Aqui no interior não tem muita diversão mesmo, não é? Além do mais estamos precisando de braços pra trabalhar no campo. Tem muita gente indo pra cidade morar em favela e ser operário - eu falei.
A moça começou a gemer e a falar que não ia dar tempo:
- Mãe, tô sentido muito molhado aqui em baixo! - Começou a fazer cara de sofrimento e pôs a mão na direção da saída de bebês.
- Deixa eu ver - disse a mãe, levantando um pouquinho o vestido da moça. - Nossa mãe do céu! Está muito molhada, acho que estourou a bolsa!
- Ai, Eu não tô aguentando! – Disse a filha – Meu Deus, vai sair aqui mesmo!
Não deu para eu continuar. Tive que parar o caminhão e encostei-o na beirada da estrada, tomando o cuidado de estacionar ao abrigo de uma árvore bem grande, que proporcionava uma boa área de sombra e falei:
- Se não tem jeito e ela tá querendo sair, vamos deixar que venha ao mundo. Vamos lá! Mãos à obra! A senhora já é avó deve saber lidar com isso, não é dona Rosalina?
- Eu não sei disso não moço. Os meus foram seis. Os dela e os da Marta eu só limpei e dei o banhinho, mas não aparei porque não sei e tenho medo.
- É dona, mas esse a senhora vai ter que segurar! Se não sabe, vai ter que aprender à força – eu disse.
Perguntei à parturiente:
- Você tá sentindo uma pressão em baixo da barriga Marluce? Assim, contraindo e afrouxando?
- Tô sentindo sim, parece que está forçando pra baixo igual eu senti quando os outros dois nasceram.
- Então tá na hora mesmo. Espera aí!
Fui buscar uma garrafa de álcool e algodão que eu sempre trago comigo na maletinha de primeiros socorros. Aquelas que obrigaram aos motoristas a ter no carro há alguns anos atrás. Desde aquela época, eu sempre tenho no caminhão, é muito útil, tem gaze, esparadrapo, até uma tesourinha e iodo. Limpei o banco com álcool e pedi uma toalha à dona Rosalina para estender e a Marluce poder deitar. Ela se acomodou e dobrou os joelhos. Nessa altura ela já estava fazendo força e caretas para segurar o herdeiro que queria sair de qualquer jeito. Como eu vi que elas não se movimentavam mesmo e acho que era por vergonha, eu falei:
- Moça, você vai ter que tirar a calcinha pra criança poder passar. Pode deixar que eu não vou ficar olhando, até porque nessa situação eu nem vou pensar em nada que possa causar constrangimento pra ninguém. Em situações como esta, a gente tem que deixar essas coisas de lado senão complica tudo.
Então, ela começou a tirar a calcinha sem falar nada. A mãe ajudou a passar a peça pelos joelhos e pés. A dona Rosalina estava tão apavorada, que me entregou a calcinha da filha toda enrodilhada e perguntou para mim:
- E agora? O que eu faço?
-A senhora não tem que fazer nada. Quem tem que fazer é a futura mamãe. – Eu disse enquanto jogava a calcinha no painel.
“Que situação, hein! Por isso eu nunca tinha passado, nem filho eu tive. Como foi acontecer logo comigo!” – Pensei.
- Tá sentindo contração? – Eu perguntei - Se está, faz força pra expulsar o bebê. A barriga já desceu?
- O que?
- Eu perguntei se a barriga já desceu. Dá pra sentir quando a criança se encaixa na saída e a parte de cima da barriga murcha. Eu li sobre isso não sei onde.
- Acho que já tá é saindo!
- Ai meu Deus, Jesus Cristo, Nossa Senhora! – Disse a dona Rosalina.
- Deixe-me ver, Marluce. Não fica com vergonha não moça. Se fosse lá no ambulatório, ia ter mais gente olhando mesmo!
Afastei os joelhos dela e levantei o vestido. Já estava lá a cabecinha passando pelo portal da vida – legal essa que passou pela minha cabeça: “portal da vida”. “Tomara que essa criança tenha muita sorte” - Pensei.  Passei álcool nas mãos e disse para a dona Rosalina fazer a mesma coisa.
- Faz força agora, Marluce! – Eu falei.
Segurei com cuidado a cabecinha da criança e ela veio muito fácil. Escorregou, de repente, e a aparei com as mãos. Era uma menina. Já veio provocando confusão e chorando para reclamar como a maioria das mulheres. Sorte nossa, não deu trabalho nenhum.
- Viu como foi fácil! – Falei, eufórico. Você é uma boa parideira. Saiu sem muito esforço. Sabe que algumas mulheres correm o risco de ter um bebê até quando vão ao vaso sanitário, tal a dilatação que alcançam sem perceber? Essa vai ser manhosa igual à mãe, já saiu chorando a danada!
Então, falei para a avó limpar o narizinho e a boquinha dela para não engolir ou respirar resíduos do líquido.
- Agora, tá na hora de cuidar do cordão umbilical. Acho que vai demorar um pouquinho pra chegar ao ambulatório. A gente vai ter que fazer isso aqui mesmo – eu falei.
Molhei dois pedaços de barbante no álcool e amarrei duas vezes o cordão. Acendi um isqueiro e aqueci as duas lâminas da tesourinha - seguro morreu de velho -. Depois, joguei álcool – é melhor prevenir do que remediar -. Então, eu cortei. Não sei como eu tive coragem. Nunca imaginei que um dia tivesse que fazer aquilo e torço para não ter que fazer de novo. É muita responsabilidade. Depois joguei iodo nas duas pontas, embora eu saiba que a ponta da placenta vai sair junto com ela, mas fiz sei lá por quê. Naquela hora eu só queria fazer tudo com o menor risco possível, afinal eu era “marinheiro de primeira viagem”, pois nem pai fui ainda. Enrolei um pouquinho de gaze e depois disso joguei os utensílios dentro da caixa de primeiros socorros. Lavei as mãos na biquinha do tonel e disse para a dona Rosalina fazer o mesmo e se ajeitar no banco com a criança, que já estava embrulhada numa mantinha. Deixei a Marluce deitada ali mesmo no banco e parti para o ambulatório, torcendo para que tudo tivesse sido feito corretamente.
A viagem até o ambulatório foi silenciosa. Por incrível que pareça nem a menina chorou. Estava aquecidinha no colo da vovó. Chegamos cerca de quarenta minutos depois. A mãe e a criança foram atendidas e ficou tudo bem. A enfermeira me perguntou como aconteceu e o que tinha sido feito. Eu contei com todos os pormenores como aconteceu o parto, quanto à assepsia e aos cuidados com a criança, excluindo os detalhes referentes ao comportamento da mãe e dá avó. Falei que eu fiquei muito nervoso. Ela me disse que estava tudo bem com a criança e com a mãe. Que deu tudo certo e para eu não me preocupar, dando-me uns tapinhas nas costas.
Então, eu fui tomar um cafezinho na cantina para relaxar e me joguei num banco, exausto. Pensava como eu tive coragem para fazer aquilo tudo, quando vieram me chamar dizendo que a Marluce estava chamando o papai.
- Eu não sou o pai! Eu estou nervoso assim, porque tive que fazer um parto no meio da estrada e eu nunca tinha feito isso antes.
- Mas ela quer falar contigo. O senhor não é o Rui?
- Eu sou o Rui, Rui Barbosa, mas pode me chamar só de Rui.
Eu segui a enfermeira. A Marluce e a dona Rosalina estavam muito contentes. A menininha estava mamando e dormindo.
- Obrigada seu Rui! O senhor é um anjo que veio do céu para me ajudar, foi Deus que botou o senhor no meu caminho – disse a Marluce.
- Que isso dona! Não tinha jeito mesmo! Pra tudo tem a primeira vez né? No meu caso espero que seja a última.
- O senhor pode ser padrinho da Ritinha. O nome dela vai ser Rita,. Decidi agora, em sua homenagem. Pensei em um nome de mulher parecido com Rui, mas eu não conheço muito, Ruía e Ruiva acho que não são nome de gente, então resolvi chamar de Rita, pelo menos começa igual ao seu.
- Olha Marluce, eu não sou ligado em religião. Posso ser amigo de vocês, mas nem sei se vou vê-las de novo. Portanto, é melhor vocês escolherem uma pessoa que esteja mais próximo dela para estar presente. Senão, quando ela crescer, vai pensar que não tem padrinho. Pode ser que essa seja a última vez que eu veja vocês... de qualquer forma, muito obrigado pela lembrança. Sejam muito felizes e que a Ritinha tenha muita sorte na vida. Quando ela crescer, conta como foi que ela veio ao mundo. No mínimo deve achar interessante ter uma história diferente pra contar sobre o início da sua vida, a aventura que nós vivemos não é mesmo? Eu estou indo embora, a estrada me espera. Adeus, e felicidades pra vocês.
Mario Rezende
Enviado por Mario Rezende em 05/09/2007
Reeditado em 21/12/2011
Código do texto: T639752

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mario Rebelo de Rezende). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mario Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
690 textos (51451 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 10:39)
Mario Rezende