Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TEMPLOS DE VERSOS
Juliana Valis




Se soubesse a verdade, poderia dizê-la,

Na manhã que renasce como só tempestade

Do amor que brilhe, leve, feito estrela,

Na vida breve, verso que me invade,

Assim, disperso, na ilusão de vê-la...





Se houvesse sempre luz pelos túneis sós

De dores tão humanas quanto o mar da vida,

Talvez o sonho intrépido, na ilusão veloz,

Pudesse transcender o mundo que elucida

Tão profundo tempo transbordando em nós !




Mas quando veremos, frente a frente, a sorte ?

De repente, a vida se torna labirinto,

E todo véu de toda dor que sinto

Deleita-se como céu a sucumbir na morte...




Se soubesse o sentido exato da vida,

Deveria dizê-lo não apenas em versos,

Mas nos próprios caminhos que a paz convida,

Nesses ninhos de sonhos sempre tão imersos

Nos próprios universos do coração, na lida...




Rir do tempo, portanto, é asneira,

Pois tudo se esvai na proporção do nada,

E a estrada efêmera, breve e traiçoeira

Torna-se a própria vida quando o amor nos brada !




Ah, coração em templos de versos sempre sós,

Veja que a emoção transborda muito além da dor,

Bem aqui, no cerne de quem somos nós,

Entre corpo e alma, suplicando amor !



----
Juliana Silva Valis
Enviado por Juliana Silva Valis em 05/09/2007
Código do texto: T640192

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Silva Valis
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 33 anos
3973 textos (883867 leituras)
4 e-livros (1863 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 15:41)
Juliana Silva Valis