Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA
Juliana Valis




Na decadência de tudo, o nada apenas nos pede

O amor que nos brada, no cerne, sem prescrição,

Além da dor, do delírio que o mundo concede,

No labirinto profundo dos sonhos que  vão...



E, no coração, eis o ápice da dívida humana,

Diluída na dúvida, eterna, em sã consciência,

No amanhã que se espera, na manhã que declama

Toda máxima vã da mínima e só decadência !



Não há existência, portanto, que seja mesmo isenta

Das intempéries da vida, em cada passo nas ruas,

No descompasso do tempo que, assim, atormenta

Nossa pífia ilusão digerida em doses tão cruas...




Portanto, não digo que dores são prescritíveis,

Mendigo, apenas, amores nos labirintos da essência,

Em pequenas vertigens de cores risíveis,

Além do mundo mecenas, da rispidez, decadência. 




---



Quadro acima de Pablo Picasso,

A Fábrica.


Juliana Silva Valis
Enviado por Juliana Silva Valis em 05/09/2007
Reeditado em 05/09/2007
Código do texto: T640234

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Silva Valis
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 33 anos
3973 textos (883842 leituras)
4 e-livros (1863 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 01:56)
Juliana Silva Valis