Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Espelho

Não muito distante
ouço o chorar persistente
de uma criança.
Interrompo o que faço para tossir.
Não, muito longe ouço latidos
insistentes de cães...
sem dono.
Impacientemente volto a tossir.
De repente,
o som da sirene policial,
ouço estampidos,
o corre correr natural
e novamente o silêncio.
Um silêncio sepulcral.
Novamente volto a tossir.
E nesta sinfonia inebriante
a minha insônia
torna-se enervante.
Tremulamente,
bebo mais um café,
e novamente
acendo outro cigarro;
antes da primeira tragada,
a tosse.
Tossindo e fumando
continuo madrugada adentro
buscando inspiração
para os meus versos.
A criança continua chorando,
os cães latindo,
o corre corre;
e eu aqui fumando.
Fumando e tossindo...
vejo o dia amanhecer,
a musa não aparecer
e o sono não acontecer.
E prossigo,
entre um e outro cigarro...
um pigarro.
Entre um e outro pigarro...
um escarro.
E nesta sucessão de cigarros...
pigarros...   e escarros...
É que trago no peito
um pulmão tragado,
um pulmão fumado;
estragado pelo sádico prazer
de não aceitar ou querer,
de não ver ou sentir
o inconveniente que sou.

Ataliba Campos Lima
15/09 à 10/10/1994
Apoio Cultural www.jornalnovafronteira.com.br
Ataliba
Enviado por Ataliba em 06/09/2007
Reeditado em 24/11/2007
Código do texto: T641273
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ataliba
Barreiras - Bahia - Brasil, 76 anos
20 textos (656 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 04:11)
Ataliba