Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


COPO D'ÁGUA




Recostado em meu cadeirão,
Tenho, entre mãos que não param
Meu copo de fino cristal talhado.

De tempo em tempo,
Golpei-o suavemente com os dedos
Para verificar sua leveza,
Escutar seu fino canto,
Que presenteia o ouvido extasiado

Mas não é essa só sua beleza,
Olho, cada talha do cinzel mestre
Que o foi embelezando,
Que o fez jóia deslumbrante
Para uma mirada alucinada.

E sabem que tenho eu em meu copo?
Água, só água cristalina.
Só água cristalina?
Não, o símbolo da pureza
Da visão de vida inteira.

Bebo-o, gole a gole,
Paladar em pleno êxtase
Sentindo que com ele
Estou voltando aos princípios,
Quando me fizeram novo.

Esse copo em sua fermosura
Contém a essência transparente,
O símbolo enorme, indiscutível
Da existência que em sua marcha
Não se perde por caminhos mau traçados.

Nossa vida, esse copo tilitante
Que se faz admiração, orgulho,
Que nos foi presenteado com um fim,
Só será, se o queremos,
Estandarte de exemplo transparente.

Malubarni
Enviado por Malubarni em 12/09/2007
Código do texto: T648762

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Malubarni
Vila Nova De Gaia - Porto - Portugal
595 textos (121240 leituras)
2 áudios (278 audições)
3 e-livros (402 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 14:44)
Malubarni