Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Confissão Anônima

Longo e infindável amor que no peito inflama
Ao sentir-te derramo a última gota
E nos recônditos da saudade relembro a doce chama
Que é glória de quem a tem
E miséria de quem a ama.

Grande e egoísta amor que no pensamento existe
Sendo impossível tocar-lhe e não sorrir
Vê-lo e não ser triste,
Já que sei que logo vais sem saber se me retornas.

Olhe, meu senhor, para esta humilde serva
Do cimo de sua altivez
Do cima em que estás agora
Tenha piedade do que a vida a mim reserva.

Todo dia e todo instante
Vivo o sono que me falta
Velo a dor da sua ausência.
Não sejas tão inconstante,
É necessário que retornes
É mais que precisa a sua presença.

Venha, meu querido, venha sem demora.
Sem piedade, veja o fim de quem te ama.
Junte o mal e o bem,
E do que com a vida se vive e com a morte perdura.
Jogue os restos da saudade e a melancolia demente
À beira da sepultura.
Géssica Ranieri
Enviado por Géssica Ranieri em 13/09/2007
Código do texto: T650933

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Géssica Aparecida Botelho dos Santos). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Géssica Ranieri
Santo Antônio de Pádua - Rio de Janeiro - Brasil, 27 anos
36 textos (7584 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 18:08)
Géssica Ranieri