Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os sapatos

Os Sapatos


Por mais de cinco anos, Guilherme morou sozinho num apartamento no quinto andar de um prédio na Avenida Z. Durante todo esse tempo nunca teve o sono  perturbado por qualquer barulho. A sua tranqüilidade era monumental, não havia a qualquer hora da noite, músicas ensurdecedoras nem crianças correndo pelos corredores ou mulheres andando de salto alto no andar de cima. Imaginava-se dormir no paraíso.
Aconteceu que numa noite, ele foi despertado por um barulho estranho seme-lhante a uma forte pancada no teto. Sobressaltado, levantou-se e acendeu a luz. Por algum tempo, esperou. Não ouviu mais nada. Tranqüilizou-se e imaginando que o barulho poderia ter sido produzido pelo vento na janela, voltou a dormir.
Na noite seguinte, na mesma hora, foi acordado, novamente, pelo mesmo baru-lho. Esperou mais um pouco e ouviu pela segunda vez o ruído. Era uma pancada forte no teto de seu quarto. Alguém do apartamento de cima, atirara alguma coisa ao chão. Pensou. E por duas vezes seguidas. Depois veio o silêncio. Resolveu que fica-ria acordado, na noite seguinte, para descobrir o que estava acontecendo. E naquela noite ouviu, nitidamente, duas pancadas, uma separada da outra por um intervalo a-proximado de dois minutos. Agora só precisava descobrir quem fazia aquilo.
Informou-se na portaria do prédio e descobriu que um rapaz havia se mudado, recentemente, para o apartamento situado acima do seu. Por três noites, prestou aten-ção ao movimento do vizinho de cima e observou que ele, todas as vezes que chegava no quarto, arremessava alguma coisa no chão com força, fazendo o barulho conhecido. Custou a entender. Mas depois de muito analisar, descobriu que o moço, antes de se deitar, tirava os sapatos e os atirava com força, no meio do quarto, um após o outro, num intervalo aproximado de dois minutos, provocando as pancadas que o incomodava. Passou, então a se deitar, somente após a chegada do rapaz e, conseqüentemente, depois que ele tivesse jogado os dois sapatos ao chão.
Por algum tempo a fórmula funcionou. Numa certa noite, o rapaz chegou tar-de. Tirou um pé de sapato e o jogou no meio do quarto, como sempre fazia. O outro, ele deixou silenciosamente junto à cama. A espreita, Guilherme, automaticamente, aguardou a segunda pancada, dentro do intervalo calculado. Preparou-se para dormir. Mas, não ouviu a segunda pancada. Não sabia o porquê, mas o rapaz demorava. Es-perou mais alguns minutos. Nada. Levantou-se da cama. Andou pelo quarto impaciente e nervoso. Depois permaneceu de pé no meio do quarto, imóvel. O ouvi-do dirigido para cima, esperando o segundo arremesso. Nada. Quando é que ele vai jogar o segundo sapato? Pensou. Se ele não jogar eu não durmo. Deu mais um tempo. Aguardou mais alguns minutos. Nada. Não entendia a demora.
Alta madrugada. Sentado na cama esperava pela segunda pancada. Estava de-cidido a não dormir enquanto não a ouvisse. Aí, teve uma idéia. Subiu a escada e foi até o apartamento do rapaz. Parou em frente à porta meio indeciso. Depois, tomou coragem e tocou a campainha com insistência. O moço abriu a porta, sonolento, com ostensiva inconsciência do tumulto que causara, perguntou o que ele queria. Gui-lherme respondeu com outra pergunta:
- Eu quero saber por que você não jogou o outro pé de sapato?
Vanderlei Antônio de Araújo
Enviado por Vanderlei Antônio de Araújo em 14/09/2007
Código do texto: T652074

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vanderlei Antônio de Araújo
Goiânia - Goiás - Brasil, 75 anos
82 textos (10569 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 04:23)