Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Golpes No Peito

Quando o silêncio tristemente chora
Sinto suas lágrimas lívidas de sombra.
Revejo a flamejante pira da aurora,
Ígneo pranto que em mim tomba.

Semeio na terra dos esquecimentos,
Como um semeador de vãs ausências.
Os mais plangentes acentos
Que regurgitam trevas na existência.

Versos vicejam no colo do abismo,
O caos em absurdas coreografias.
Ao som estridente do lirismo
Componho tristonhas simetrias.

E com sangue escrevo este poema,
Consagrado num vil sacramento.
A dor pungente da amargura extrema
Espalhando melodias no meu sentimento.

Assim o amor em vibrações evola,
Sintetizando na projeção dos mitos,
Lágrimas, dum oceano que consola
Feridas inflamadas com gritos.

E nas catedrais onde o luar
Forja fantasmas ao som desta canção
Dançam murmúrios que sem ecoar
Golpeiam abismos no meu coração!
Luis Felipe Saratt
Enviado por Luis Felipe Saratt em 15/09/2007
Reeditado em 05/10/2008
Código do texto: T653568
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luis Felipe Saratt
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 35 anos
61 textos (1087 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 20:50)