Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DE COMO EU CONHECI BAROC EM UM BAR A 15 MILHAS DESTA ESTRADA SEM FIM QUE SEMPRE NOS LEVA À LUGAR ALGUM.



      ESTIVE ANDANDO POR HORAS SOB ESTE CÉU DOENTE E CINZA,
                              MEUS OLHOS ARDIAM,
     ESTAVAM TÃO VERMRLHOS QUE A TURVA FUMAÇA PASSOU A SE
                          COLORIR ENIGMATICAMENTE.
      MEU SORRISO HAVIA FICADO NAS PARDES FRIAS DAQUELA SALA
                            REPLETA DE SOFRIMENTO.

        SOU DIGNO HOJE PARA FALAR DAS LÁGRIMAS NOTURNAS E
                                    COMO DERRAMEI
   NOS QUADROS DE SURREAIS DE NEGATIVAS FORMAS QUE PINTEI
                              PARA DISSOLVER MEU ODIO,
                                  POR MAIS QUE TENTEI.
 
      NADA ME FAZIA ESQUECER DAS DESGRAÇAS QUE PLANTEI,
             NA PROPRIA DOR SOMBRIA DO AMOR FIQUEI,
                SIM MAIS FOI TUDO RAPIDO E SEM PERCEBER,
     DA SAUDADE INSOLUBRE QUE SE INSTALA EM NOSSO PEITO,
                                 E SEM DIZER NADA.
 
           SEMPRE RETORNO PARA APANHAR ALGUMAS ROUPAS,
                           QUE FALO FICOU NO ARMARIO,
                                    MESMO FOI TÃO,
              SEM QUERER QUE POSSO NOTAR O NADA MUDOU,
                   TUDO ESTÁ EM SEU LUGAR DERRADEIRO,
                          ENTÃO ANDO UM DIA INTEIRO.
 
           CASTIGANDO MEUS PÉS QUE TEIMAM EM QUERER FICAR,
             ESPERANDO ALGUMA PALAVRA SOLTA SOBRE O AMOR
                         OU O CONVITE PARA UM ÚLTIMO CHÁ.

       E MESMO ANDANDO EM CIRCULOAS POR ESTAS VIZINHANÇAS
                    BUSCANDO UMA BOA RARA LEMBRANÇA,
                 DE DIAS SEM ACREDITAR QUE A ESPERANÇA,
 FOSSE TÃO DOCE QUANTO O OLHAR DEPRIMIDO DE UMA CRIANÇA,
         CAIDA MORTA COMO UMA FOLHA NO MEIO DO CHÃO.

      LEMBRO EU QUE ESTAVA ENTÃO ALI SENTADO SEM DIZER NADA
              TIRANDO E CROMANDO OS ESPINHOS DE VENENO.
         VINGANDO DESENCONTROS FORMIDAVEIS PARA O FIM
      DESTAS SAUDADES FERIDAS QUE ESTAM ME CORROENDO.
     
   
DIEGO HUXLEY
Enviado por DIEGO HUXLEY em 21/09/2007
Código do texto: T662435

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DIEGO HUXLEY
Sobradinho - Distrito Federal - Brasil, 30 anos
221 textos (11169 leituras)
1 áudios (42 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 13:49)
DIEGO HUXLEY