Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
NO MEIO DA NOITE


O índio vivia pelado,
Até o branco chegar,
Cercando-o de todo lado,
E roupas fez  ele usar.
------
Entre outras absurdas coisas.
------
E lá vai um índio a seguir,
Tranqüilo pela rua,
No meio da noite;
(agora, americanizado);
Camiseta de malha,
Jaqueta e calça jeans,
Os pés dentro de um par de botas.
Completamente adaptado,
Ao que lhe foi implantado,
Pelo branco do homem.
-------
Mas, na noite negra,
Três homens brancos,
Vieram ao encontro,
Do índio (que em um branco),
Já se sentia;
E o índio coitado,
Sorriu para eles,
Chamou-os de “manos”,
Estendeu-lhes a mão;
Ah! Pra quê?
-Tire a roupa,
Seu filho da puta,
Índio vive é pelado,
Ele não entendeu;
E nem deu tempo,
Foi logo derrubado,
O índio no solo,
Chutes no rosto,
O índio sem roupas,
Escárnios na noite;
-“Índio quer apito”,
-O pau vai comer,
nesse índio veado,
-Índio morre é pelado;
... E o índio morreu.

-------

Fato ocorrido recentemente em Minas.
DELEY
Enviado por DELEY em 22/09/2007
Reeditado em 22/09/2007
Código do texto: T663650

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DELEY
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
4935 textos (186931 leituras)
4 e-livros (1657 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 23:07)
DELEY