Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lágrimas e Prantos

     
               Já chorei tanto,
               que não tenho mais
               lágrimas para derramar;
               Já derramei todo o meu pranto,
               que já não tenho mais o que chorar

               Chorei sentindo tua ingratidão,
               chorei por ver-te indiferente,
               Feriste sim o meu coração
               Machucando-o diariamente.

               Já não tenho mais prantos,
               Minhas lágrimas todas secaram
               Decepções, tristezas, desencantos
               Foram essas as marcas que ficaram

              Chorar, as vezes, nos faz desabafar
              Todo pranto é lamentação perdida,
              As lágrimas nos fazem lamentar
              Da ingratidão uma dor sofrida.

              Há prantos de diferentes circunstâncias,
              Uns choram de saudades e lembranças,
              Outros pela ausência, pelas distâncias
              E alguns choram por desejos de vinganças.

              Muitos choram por suas dores físicas
              Que maltratam seu corpo fisicamente,
              Outros as mãgoas do seu coração, intrínsecas
              Feridas que vão matando lentamente.
             
              E eu o que choro verdadeiramente,
              Mágoas, dores, lembranças ou desilusões?
              Por que faço do meu pranto constantemente,
              O lenitivo das minhas decepções.?

              Se choro é porque meu pranto arranca
              Do meu peito as mágoas rancorosas
              Que das mágoas a vida desencata
              O viver de uma vida cor de rosas.
                         
BLopes
Enviado por BLopes em 29/09/2007
Reeditado em 29/09/2007
Código do texto: T673135
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BLopes
Itapetim - Pernambuco - Brasil, 73 anos
1067 textos (108574 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 21:07)
BLopes