Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DICIONÁRIO DO AURÉLIO.

DICIONÁRIO DO AURÉLIO


Tenho um amigo, semi-analfabeto, que trabalha numa empresa de vigilância há muitos anos.  Nesses novos tempos de estudos universitários, a mulher do sujeito resolveu estudar e fazer faculdade, deixando-o para trás em termos culturais.
A freqüência escolar deu a ela uma nova visão e passou a conviver com pessoas de um nível cultural maior. E a dedicar aos estudos, quase integralmente, na busca por melhores horizontes e de uma vida mais digna.
As aulas na faculdade começaram a exigir dela mais tempo e mais dedicação aos estudos, tendo com isso constantemente ter que se ausentar de casa para poder fazer os trabalhos escolares e consegui um bom aproveitamento nos estudos.
Essas ausências constantes, além das necessárias para assistir às aulas, deixando o lar sob a guarda do marido, assim como o cuidado dos filhos, começaram a gerar atrito entre os dois, ela e o marido, embora não houvesse nada que pudesse levantar ciúmes dele. Somente o fato dela ter que se ausentar constantemente.
No trabalho, por morar numa cidadezinha do interior, ele permanecia o dia todo, voltando para casa somente no fim do expediente. O almoço era feito no próprio local de trabalho. Todos os dias um de seus filhos ia deixar a  comida no local de trabalho do pai.
Certo dia, entretanto, o sujeito resolveu ir para casa na hora do almoço, mesmo tendo recebido a comida no trabalho como de costume.
No interior, geralmente, as portas das casas ficam abertas, se tem alguém em casa, pois a violência, mesmo existindo, é mais branda e ainda há uma certa confiança entre as pessoas. Assim, quando chegou em casa a porta estava aberta e ele entrou sem ser notado.
Quando  chegou na porta da sala, antes mesmo de ser notado pela mulher dele, ouviu-a conversar com outra pessoa por telefone. Por um motivo qualquer ficou escutando a conversa, em dado momento a mulher fez o seguinte comentário:
- Não, por mim eu prefiro o Aurélio.
O sujeito ignorante, não sabendo de quem, até mesmo porque não sabia qual era o conteúdo do assunto, pois ouvia apenas a fala da  mulher dele e não a de sua inter-locutora, mesmo assim já ficou meio furioso, não anunciou sua presença e continuou ouvindo a conversa, que se desenrolava em torno da preferência por um  tal de Aurélio.
Terminada a conversa, ele, um sujeito brabo, desse matuto bruto todo, já entra na sala disposto a dar na mulher de botá-la pra fora de casa, pela preferência sentimental que ele chamava que ela tinha por outro. E partiu para cima dela dizendo e disposto a tudo:
- Eu sabia que esse negócio de estudar ia dar nisso.
- Nisso o quê? Indagou  ela normalmente.
- Nisso, tu já arranjaste um macho por lá e está me passando chifres, me fazendo de besta. Ainda tem o descaramento de telefonar de dentro de casa, aproveitando a hora que não estou aqui e o menino saiu para deixar minha comida.
- Estás ficando louco? Eu te passando chifres? Me respeite, que não sou que estás pensando, não.
- Pensa que não ouvi tua conversa aí no telefone. Falando com um sujeito e dizendo das tuas preferências.
- Que preferências?
- Não se faça de doida. Não queira me fazer de besta mais ainda, já não basta o chifre que me puseste?
- Que chifre cara? Estás louco?
- Louco eu vou ficar se tu não me contares agora mesmo a verdade.
- Mas que verdade? Não estou entendendo nada.
- Tu neste instante, não vai querer negar agora, não estavas falando com um tal de Aurélio e dizendo que preferia ele.
- Que Aurélio que eu preferi seu imbecil. Ou sujeito ignorante, o Aurélio que eu  estava me referindo era um dicionário. Vai estudar para deixar de ser burro e não botar minhoca na cabeça. O sujeito ser ignorante dá nisso. Fica botando coisa na cabeça. Aliás, fica a pensar que eu boto coisa na tua cabeça. Eu estava comentando com uma amiga que preferia o dicionário do Aurélio, enquanto ela dizia que preferia o do Houaiss ao do Aurélio.
O sujeito ficou por ali, meio acabrunhado, mesmo assim disse:
- Olha se isso não for verdade, vou procurar esse dois sujeitos e mato todos os dois.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
OUTUBRO 2007
Henrique César
Enviado por Henrique César em 02/10/2007
Código do texto: T677920

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique César
Fortaleza - Ceará - Brasil, 65 anos
582 textos (126556 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 04:27)
Henrique César