Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOITE FACEIRA



Vem a noite faceira como a vida

Assim, inteira e tão efêmera, incerta,

Que o coração se perde no céu que elucida

O só tormento da emoção inconcreta...



E o sentimento que se perde a vagar

Pelos labirintos infinitos da alma

Apenas ouve a pulsação desse mar

Chamado tempo que só passa sem calma...



Eis, portanto, o próprio túnel do sonho

Entre sentimentos na imprecisão humana

Desse coração no verso só, tristonho,

Como brisa célere que o dia clama !



Tão disperso, pois, é o enigma

Do universo interno, na vertigem plana,

Que todo sol se perde no que o céu consigna,

Além do próprio véu da insensatez mundana.



----





Juliana Silva Valis
Enviado por Juliana Silva Valis em 02/10/2007
Código do texto: T678061

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Silva Valis
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 33 anos
3973 textos (883724 leituras)
4 e-livros (1863 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 05:55)
Juliana Silva Valis