Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O GRANDE FINAL

É realidade. A humanidade está acabada,
Com tantas guerras e infinitas maldades,
Poucos com muito e muitos sem ter nada,
É um culto profano que enaltece vaidades.

O homem escraviza o homem e o explora,
Os governos tripudiam, brigam entre si,
A grande massa, sem opção, apenas chora,
E sem saída, apenas espera o seu triste fim.

O homem esqueceu o amor, esqueceu Deus.
Olha somente para o seu umbigo, é narcisista,
Sabe apenas e somente dos interesses seus,
E nem vê que o irmão carente dele necessita.

A fome grassa célere, uma procissão de morte,
As doenças proliferam na velocidade do raio,
E o mundo, um inferno deixado à própria sorte,
Vai-se euxarindo, se acabando e não é ensaio.

É a pura realidade este cenário bem pressente;
É o final, o apocalipse, quem acionará o botão.
A qual carrasco caberá a derradeira decisão,
De por um fim ao fim que chega sombriamente?

Mas há uma chance. Um apelo final a execução,
Um perdão, um final feliz, da pena, suspensão,
Dessa derrocada fatal, para uma nova vida,
Uma movimentação para uma nova tentativa.

Cuidar do planeta com respeito e obediência,
Respeitar seus sistemas, reaprender a viver,
Saber se comportar no mundo, ter a paciência,
Para uma nova reconstrução no modo de ser.

Reaprender a ser solidário com quem necessita,
Dividir o pão com igualdade, saciar a fome,
Daquele que não será apenas mais um parasita,
Matar as vaidades e o orgulho que consome.

Na hora que mudarmos esses torpes planos,
Que nos destrói, nos leva a tanta desigualdade,
O mundo será outro, será apenas de bondade,
Se formos todos iguais, irmãos, seres humanos.

No momento em que voltarmos o pensamento,
Para Deus, e vermos que Ele de novo nos chama,
Para acabarmos com o sofrer, todo o lamento,
Veremos um mundo melhor sem essa lama.

Certamente que o mundo será outro fatalmente,
A vida ressurgirá de novo sem nenhum tropeço,
Não mais guerras. Um novo tempo, novo começo,
Todos iguais, sem miséria, vivendo eternamente.
Lúcio Astrê
Enviado por Lúcio Astrê em 03/10/2007
Código do texto: T679611

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lúcio Astrê
Euclides da Cunha - Bahia - Brasil, 60 anos
263 textos (10337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 02:42)
Lúcio Astrê