Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESEMPREGADO

Caminhando sozinho por entre a multidão,
Pensando tristonho como arranjar um patrão
Nesta cidade imensa, longe do torrão natal;
Em cada lugar a pergunta é peculiar:
Tem diploma, sabe computador, vender ou comprar?
Ai de mim! Leio pouco, escrevo mal...

Vejo em cada rosto das pessoas que por mim passam
Expressões alegres, vitoriosas, que contrastam
Com a minha miséria, a minha falta de fé...
Elas, andando tranqüilas pelo calçadão enfeitado
Não percebem que eu estou faminto e cansado
Necessitando de um "tostão" para um pão ou café.

Paro um instante, sento no banco da praça
Para conter com a tontura que desgraça
A minha honra, a minha alegria de viver...
Sem dormir à noite, saí de casa de madrugada
Deixando doze filhos e uma mulher maltratada
Esperando qualquer coisa para comer.

Já é meio dia, não sei o que fazer.
Ninguém me dá um emprego ou algo para comer,
Só tem uma solução que me consola:
Vou cortar a perna, apanhar qualquer latinha,
Tirar os sapatos, sujar a roupa inteirinha
E sair por aí loucamente à pedir esmola.



Poema dedicado aos meus irmãos desiludidos pela falta de emprego e perspectiva de vida.
Carlos Melgaço
Enviado por Carlos Melgaço em 04/10/2007
Código do texto: T680408

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Melgaço
Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, 59 anos
1147 textos (33627 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 12:17)
Carlos Melgaço