Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poema da despedida

vim aqui
até aqui, nessa geografia distante
nesse instante infinito de agonia
para dizer adeus
dizer que seguirei sozinha
com minhas coisas,
minhas crenças,
meus valores aninhados no espírito
arredados numa alma
balouçante.

o soluçar das lágrimas,
o breve aceno de adeus,
o último olhar,
o último silêncio

pontuarão reticências
que um dia serão decifráveis
serão equações abstratas que
explicam a dor
e lirismo

mas ser apenas um sobrevivente
encalacrado nesse mundo
é reles demais,
é sujo demais,
é inumano.

não posso.
esgotaram-se meus mares de lágrimas
esgotaram-se os desertos áridos
de entardecer punjente
colorindo de rubro minhas faces amareladas
colorindo de rubro
esse fim patético
sangrando o dia por dentro de minhas veias

vim aqui
humildemente
me despedir
me despir da ironia,
da hipocrisia
e, partir como vassalo vencido

vim aqui
sem esperanças
num vento qualquer
elísio
passeante pelas frestas mundanas,
desgastadas e
sombrias

a partida é apenas o começo de algum regresso
provável
imenso e disperso entre palavras escritas
numa manchete de jornal

desaparecer simplesmente
é poético
e exilar-se da dor,
da sarjeta dos sentimentos inúteis

desaparecer é viajar no tapete
mágico
é dizer mil palavras mágicas
é alcançar o Everest num só fôlego
é atingir o centro de tudo
é preencher
a ausência de tudo,
 é a vida em contraponto da morte.

não quero choros
não quero reconhecimentos tardios
não quero flores
só quero a atenção dos poetas
habitantes recônditos
de cada um de nós
a nos irmarmos diariamente
na beleza prosaica
na esquina repleta de vira-latas
no troco miúdo a caber em bolsos
nos cafezinhos de beira-de-estrada

a nos igualarmos
nesse oceano de diferenças
a nos pinçarmos da diluição
numérica das estatísticas

sentir, pensar
pensar e sentir
sentir e partir
para não ter que olhar para atrás.

vou mergulhar nesse interior
e me fechar hermeticamente
para então viver em paz
aberta para o céu,
presente nas folhas do outono,
no pólen
das flores banidas,
nas montanhas e nas despedidas sem fim.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 04/10/2007
Código do texto: T680870
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gisele Leite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1630 textos (3701174 leituras)
33 áudios (5054 audições)
25 e-livros (142811 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 00:05)
Gisele Leite

Site do Escritor