Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ZARPA... QUE INCOMODA!

ZARPA… QUE INCOMODA!
(Rogério Martins Simões)

O que pensas quando estás só?
Que notícias trazem de ti as horas…
Por que suspendes os minutos
e desprezas os segundos….
Secundaram a tua imagem
numa versão de cárcere.

Que sabem de ti os amigos?
Que dúvidas escorrem
Nos confins da tua mente.
- Mentias se falasses!
Por isso nada dizes
e o silêncio incomoda.

Morrias se ouvisses um grito!
Chorarias
se escutasses uma criança!
Que criança tem o teu coração?
Ainda, assim, escutas
o teu próprio silêncio.
Resta-te um velho cão…


Contínuas só,
escutando nada!?
Lá fora uma multidão,
danada,
apedreja um ladrão…

À luz de uma velha cidade
florescem cimentos
E as gentes passam por edifícios
Construídos nos penhascos dos lucros.
Parecem feras enjauladas
que se soltam
E percorrem na rotina
o caminho contrário.

Contrariamente à sorte
não se fala na mesma língua…
O regresso é o inverso e o verso
De uma partida desesperada…

A todo o tempo se remexe
em papéis,
Em contas,
E se contam os tostões
para pagar as dívidas
Que dívida tens para com a sorte
em teres nascido?

Zarpa que incomoda!
Resta-te um velho cão…


Andam aos tiros nas ruas.
Apontam as espingardas
às casas vazias.
Vivem agora nos fundos
a fugir às bombas.
Não oiço nada cá em baixo.
Não oiço nada cá em cima.

O hospital tresanda
a fétida melena
do sangue cozido pelo sol.

O sol não nasceu para todos.
Estendem-se redes pelos telhados
para aprisionar a luz.
Falta-me a lucidez

Zarpa que incomoda
Resta-me um velho cão…


O cão sacode a pulga
A pulga regressa ao homem
De onde nunca deveria ter saído.

Na barraca de tabique
há sempre correntes de ar
e cheiros pestilentos
das canseiras.

No bidão improvisa-se um lavatório.
Emprenha-se um buraco
e faz de latrina…

Ao lado, prego com prego,
cheira a catinga
E uma velha mulher canta
uma desconhecida
canção de embalar.

Todas as manhãs são escurecidas
com excrementos escorridos….
Cheira a merda!
Zarpa que incomoda…
Resta-me um velho cão…


Hoje não penso
nas quatro paredes
que me cercam.
Corri meus olhos numa cotovia
Que voava apressada...

Bateram à porta. Foi engano!
Lá fora, nas cartilagens da agonia,
há tanta luta!

Movimento as minhas mãos
E conforto o velho cão
Que não se mexe.
Sucumbia a uma lambidela...

Zarpa que incomoda…
Que sorte ter um cão por amigo!

Lisboa, 31/08/2006
http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt
Romasi
Enviado por Romasi em 05/10/2007
Código do texto: T682204

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Romasi
Portugal, 68 anos
29 textos (4067 leituras)
9 áudios (519 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 17:14)
Romasi