Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Minha apresentação

  Vejamos... Por onde devo (– Hunf! Jamais sei:) começar (ou enveredar)?!
  .............................................................................................
  Bem, é certo que olhares mais atentos logo perceberão que trata-se de um hai-kai ou de um epitáfio (com data e tudo mais a que se tem direito)!
  .............................................................................................
  Já as brumas que separam os demais (– Não se preocupem:) são as de um péssimo escritor!!
  .............................................................................................
  E talvez, em verdade, um dia, o hai-kai não se mostre (a mim) por epitáfio? Sim! Artisticamente ou não, um epitáfio:
 
"Pé no chão
a mim(?!)
Velho gato (absorto)...
Não corre, da Vida em porre:
Finge-se de morto!"
 
a 26/01/06
 
Aah, daqui, sim, finalmente... partir-me-á um questionamento: Como terá sido, em tal ser ocidental, o nascer do hai-kai?! Que me não leiam os filhos (tanto os dos meus ...quanto os meus), mas a pergunta (em si) já é anti_globalizante! Ou não?!
  .............................................................................................
  Pois muito que bem, vamos à história, à longa história que terminará, por ventura, ninando (Ou teria sido melhor "mi..."?!) alguns!!
  Tudo começou no dia 25 de dezembro de 2004: Noite tempestuosa, (por natalino presente) havia levado um baita fora... Quaaal! Qual nada! Brinco obviamente ...e apenas!! Porém, em mim, afora todo o fascínio por boa parte que me oferta o Japão, o hai-kai já se desenhava de uma forma, no mínimo, contrastante: 5-5-7. E bem antes de apresentar-me aos kigôs, kirês, goukís e à(s) rã(s) de Bashô, dançava com o pobre, pisando-lhe possivelmente os calos (todos): "Oxe... Tem de ser uma grande sacação, quase um ditame, diria", dizia ...aos botões, deslumbrado ...e paradoxal, como sempre! Encantavam-me vilancetes, rondós e (principalmente) sonetos! Porém, quando (a)vi(stei) o 5-7-5, pronto: Foi como um desafio ...ou um fio de Hades, para ser preciso! E tão minguado era o meu saber, saibam; pois só conhecia um hai-ku, magistralmente entoado por um dos meus mestres com certeza: O grande Manuel Bandeira!! E nesta felicíssima tempestade, foi que me sorriu, pela primeira vez, a Métrica! Depois, tomei (= furtei) umas aulinhas aí com os meninos de um ipê, e quando me fui olhar no espelho, o meu perfeccionismo daninho e o lado metódico apertavam já (forte) contra o peito o senhor Guilherme de Almeida:
 
"Velhice
 
Uma folha morta.
Um galho no céu grisalho.
Fecho a minha porta."
 
Não me lembro, mas me deve ter olhado, bem sisudo, o senhor Guilherme!!
  .............................................................................................
  Mais tarde, chegaram sopros de um Inverno e de uma Primavera que, de perto, jamais vira!  ...E sim, olhos meus: É bonito, lindo... Mas não iludi-me!! Pois se o poeta é um "fingidor", devo ser meio-poeta:
 
"Num amuo só!
 
Moça do olho azul,
Manda perguntar o Amor:
O que diacho é amuo?!?!"
 
Aí está (Por que "aí" e não "aqui"?!): Poder-se-ão fechar, olhos meus (ou de quem os fitar – cegar), à estarrecedora simplicidade do correio elegante, que tão perfeitamente se encaixa à proposta haikaísta?! Ou...:
 
"Nas balada(s)
 
Prático o paulista:
Um só beijo ao cumprimento
Pra alargar a vista!"
 
O nosso bom e velho repente!
  Ah, e... excluam-se daqui as datas! Pois é vez em quando bom esquecer os epitáfios!!
  .............................................................................................
  Agora, o que, pois, fica dessa(?!) minha apresentação, (nordestinamente...) ousada ou não?! O instante, o retrato-diário: Um gato, que, de tão velho, deita-se, ao ver o intruso (eu), que, menino malino, faz, então que vai bater o pé, e ele (o gato), nem bola: Cerra os olhos, bêbado (ou exausto) pela Vida! Um segundo após, o menino e o velho... Pr'onde foi o gato?!
  Ademais, para a Sabedoria a quem dedico esse(!!) artigo (que já se vai), o que permanece é (de fato) uma frase de Ignácio de Loyola Brandão(?!):
 
"A inspiração é o prazo."
 
Hm... No meu caso, antes fosse!!
 
a 26/01/06
Luciano Almeida
Enviado por Luciano Almeida em 06/10/2007
Código do texto: T683547

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luciano Almeida
Teresina - Piauí - Brasil, 37 anos
957 textos (39334 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 11:42)
Luciano Almeida