Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No alto do prédio

No alto do prédio,
estou eu denovo,
sentada,
balançando as pernas,
com os braços e mãos abertas.

No alto do prédio,
não tenho coragem de me jogar,
não tenho coragem de desistir,
mas ainda assim me falta coragem para continuar.

No alto do prédio,
não acredito nos apelos que me pedem para parar,
e nos ecos ao fundo que dizem para me jogar.
Não acredito mais você,
e nem mais em ninguém,
deixei de acreditar quando não acreditei mais em mim.

No alto do prédio,
vejo o passado distante,
essa saudade latejante,
que insiste em me sufocar,
de um tempo que se foi,
de um tempo que não volta,
de um tempo que não me pertence.

No alto do prédio,
grito por socorro,
mas a única resposta,
vem do grito do vento passando pelo vãos,
nem mesmo eco está aqui.

No alto do prédio,
vejo pessoas passando,
sonhos se esfarelando,
sonhos se renovando.

No alto do prédio,
ouço juras de amor enterno,
vão todas sujas para chão,
quando as atiro,
do alto deste prédio.
Claudia Rayzer
Enviado por Claudia Rayzer em 11/10/2007
Reeditado em 05/11/2007
Código do texto: T689978

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Rayzer
São Vicente - São Paulo - Brasil, 32 anos
139 textos (6859 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 02:38)
Claudia Rayzer