Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Interlúdio

Fale-me de nossa notoriedade,
Pergunte-se sê não temos nada a repor,
Saiba que rugas são marcas da idade,
Mas cicatrizes são marcas da dor...
~
Nossos corações eram semelhantes,
E tinha em si, um sentimento análogo,
Onde o amor deveria estar sempre presente,
E não somente nos versos que lhe trago...
~
É muito confuso esperar o fim do mundo,
Não sei sê eu deveria tentar lhe explicar,
Pois são como pesos que nos levam ao fundo,
E põem em nós mais duvidas a multiplicar...
~
Sei que ainda tens nos olhos, o brilho,
Aquele mesmo que um dia me encantou,
Mas a tua cabeça repousa no dormente do trilho,
Esperando por um trem que já passou...
~
Não tente ler o futuro em minhas mãos,
Nelas escondem a minha sina de desamor,
Desconsidere minhas palavras, quando te falar em vão,
Às vezes sou vazia, como fruta sem sabor...
~
Sou como o som desprendido deste interlúdio,
Ecôo grave neste acústico de paredes brancas,
Já fui tua rainha, mas deposta por perjúrio,
Hoje choro, resumido nestas palavras francas...
~
Desta natureza somos filhos estranhos,
Frutos que algum deus grego gerou,
Somos anjos profanos de olhos castanhos,
O começo de algo que já terminou...
~
É como o sol, em um melancólico final de tarde,
Mas um dia acabou, a noite fascinante nasceu,
Saiba que esta ferida sem corte ainda arde,
Posto que assim, foi que nosso amor morreu...
Marco Ramos
Enviado por Marco Ramos em 09/11/2005
Código do texto: T69128
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Ramos
Salvador - Bahia - Brasil, 47 anos
242 textos (16664 leituras)
5 áudios (355 audições)
3 e-livros (406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 01:59)
Marco Ramos