Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poesia erudita

Quando se planta o sonho com a fome
Quando se retrata a consciência com a sede
Quando evitamos a distorção da matéria
Quando sufocamos, com força, a respiração do corpo...

Quando inibido o desespero da nossa alma em chamas.
Quando tocamos as cordas da nossa composição:
Abrimos no colo do útero um corte manchado pela mudança do tempo.
Abrimos, em uma curva do espaço, uma trajetória limpa para um pulmão sobrecarregado de sangue... De suor... De cansaço...

Quando morta à semente de uma hipocrisia retórica
Quando aberta a cela de uma paixão inóspita
Moramos, de fundos, numa casa a beira do penhasco
E construímos confusos, quintais que pairam sobre a queda...

Abrimos com o peito a fechadura do pensamento.
Abrimos, no leito, as páginas do nosso livro.
Jogamos, nos ventos aleatórios, a nossa sorte alada
Construímos, no passo a passo, a implosão discreta de nossa caminhada...
De nossa história recente...
De nosso céu, ameno, descrente...
De nossa soma... De nossa estrada...
Pedrinho
Enviado por Pedrinho em 10/11/2005
Código do texto: T69506
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedrinho
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 36 anos
1 textos (1207 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:28)