Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAIS DA ALMA
Juliana Valis



Não me perderei no desvão do infinito,

Meu coração é um rio que flui sem calma,

Numa profusão de luz em cada céu aflito,

Transbordando o amor no próprio cais da alma...



E se, em paz, o sonho ri do que é verdade,

Numa tempestade de vagas ilusões,

Deixarei que o tempo, na simplicidade,

Mostre a realidade, em luz, dos corações !



Não acusarei, tampouco, a só tristeza

Do que seja a dor nesses versos sós,

Assim, tão dispersos numa angústia presa

Ao próprio enigma do que somos nós...



Humanamente, vejo sempre a indelével cor

Que nos impele ao lídimo e profundo cais,

No mar fecundo que se chama amor,

Muito além da dor que todo o mundo traz...



E, assim, a vida perfaz seu rito,

Pelos labirintos tênues de emoção em chama,

Em versos de paixão tendendo ao infinito

Do próprio coração que humanamente ama !



Por tudo isso, ouça o sentimento,

Em notas da canção que sempre nos acalma,

Na própria sinfonia que nos traz o vento,

Enaltecendo o amor, enfim, no cais da alma. 



barra16
Juliana Silva Valis
Enviado por Juliana Silva Valis em 19/10/2007
Reeditado em 19/10/2007
Código do texto: T701681

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Silva Valis
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 33 anos
3973 textos (881610 leituras)
4 e-livros (1863 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 03:51)
Juliana Silva Valis