Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Liberdade



Os podres com vida compactuam no seu lodo
Ensinam as suas mirabolantes canções inócuas
Lançam a chama da ignorância
Semeiam a putrefacta melodia do banal
Prendem-me os sentidos num inferno sem chamas

E os passos compassados dos senhores em fila
Armas ao ombro, prontos a disparar contra a liberdade
Sentido individual de querer, mera desconstrução
O sangue gela nas veias, a estupidez nunca pára
A doença dissemina-se pelo cérebro dos incautos

Qual liberdade?
A senhora de idade avançada que chora compulsivamente
O neto perdido numa guerra sem fim
E os senhores que mandam sentados apenas semeando destruição
Qual a nossa função de humanos no meio disto?



....poema que ficou de fora do meu 1º livro....
Manuel Marques
Enviado por Manuel Marques em 21/10/2007
Reeditado em 15/04/2014
Código do texto: T703263
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manuel Marques
Espanha, 45 anos
548 textos (58996 leituras)
50 áudios (13973 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 00:16)
Manuel Marques