Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Formiga Que Me Ensinou

Algo me chamou a atenção na parede
em frente, onde acabara de me sentar.
Alguma coisa se movia.
Subia até certa altura da parede e
caia novamente.
Um vulto dançante.

Coloquei os óculos.
Aproximei-me. Vi. Sorri.
Era apenas uma formiga que tentava chegar
ao ponto mais alto da parede
com um pedaço de folha
dez vezes maior que ela.

Quantas tentativas! Quantas quedas!
Quantos recomeços! Mais uma queda...
E lá vai ela de novo...

Você quer sofrer? Perguntei.
Fique aí. (Com ironia).
Vou ler meu jornal.
Absorto, concentrei-me no periódico.
O tempo (?) passou.
Esqueci-me da tal formiga.

De relance olhei para a parede.
A folha, antes, bamboleante,
Movia-se firme no ponto mais alto da parede

Como? Não é possível?
Aproximei-me e me envergonhei.
Não era mais uma formiga,
Mas uma dezena delas.
Cada uma numa posição estratégica.
E a folha subia, subia, subia...

A primeira formiga parecia me dizer:
Só... tentamos.
Só... caímos.
Só... recomeçamos sempre.
Só... ferimos-nos a cada queda.
Só... os fardos são pesadíssimos.
Só... a distância se alonga... e nos cansamos mais.

Juntos... subimos, subimos, subimos...
Surpreendemos as pessoas.

Um provérbio subiu à minha mente:
As formigas são um povo impotente;
Todavia no verão preparam a sua comida (Pv. 30:25).

Saí dali como estivesse saindo
de uma grande sala de aula.
E eu... tão pequeno.


Paulo Cezar Santos
Enviado por Paulo Cezar Santos em 23/10/2007
Código do texto: T706184

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Cezar Santos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 60 anos
109 textos (13681 leituras)
2 e-livros (70 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 18:18)
Paulo Cezar Santos