Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CELEUMA





Acendo um cigarro
Passa de largo um distinto carro.

Isto ainda há-de matar-me
Bom… eu tento conformar-me.

Não é que não preze a vida
Até que a acho bem devida.

Esmurro silente o cinzeiro
E vou num luxuoso cruzeiro.

Talvez vá para as Caraíbas
Fazer surf nas avenidas.

Raios… outro cigarro!
Não admira o súbito catarro.

E assim finda o sonho aduaneiro
Pois que me falta o dinheiro.

Prometo… cigarro nunca mais!
Mas porque digo eu… jamais?

Neste intervalo de um poema
Levantei a maior celeuma.

E nem assim a gritar
Deixei de fumar.

Jorge Humberto
24/10/07


 


Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 26/10/2007
Código do texto: T710891
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 51 anos
2622 textos (67121 leituras)
22 áudios (940 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 21:14)
Jorge Humberto