Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Diaporama de um luto



Hoje alguém morreu
alguém que não conheço
agora
neste instante
antes mesmo de escrever estas letras mortas

Não sei se foi feliz
não sei se veio infeliz
Nem mesmo sei se ao partir
levou a vida que o levou
Não deixou marcas
apenas o que seus rastros lhe marcaram

Se espargido foi
esse pó viaja ao vento misturado à solidão das brisas entardecidas
Levou lembranças?
Pra quê se lembranças são nuvens esparsas
difusas ao sabor de correntes
decorrentes de nem ao menos sei o quê?

Afinal,
mais um final
E somente mais um
Em meio a tantos meios de vida
que até Deus duvida que tenha alguma vida a ser pedida

Sem ter como referência o que seja o mal
e deferência ao que seja o bem,
todas essas consciências sem anti-corpos
já não apresentam defesas em face desse ser
que é o ser sem o saber-se ser

Agora a pouco um viveu (?)
Talvez em busca apressada do sono que lhe dê a chance de sonhar
Sonhar que vive
Para não acordar os sentidos neste findo mundo sem sentido
Anestesiada razão alfandegada
Chega-se como almas imigrantes
ausentes memórias antepassadas
sem visto de permanência

E é tão curta essa ambivalência

Falto aos olhos é a visão do que se ouve silenciosamente
Tão silenciosa mente a ouvir distantes estalos de sensações
como gravetos partidos
no alquebrado notívago coração de emoções

O vento a sentir em fechados olhos
Faz-me saber que diante estou do horizonte
Esse que ao amanhã tão imediato não o tem como futuro
Sofrer demasiado ou pouco sofrer não isenta
alma a tanta insensatez
que por sua vez em cálida tarde d´esperança
suspira último medo de não a eternidade reconhecer

Ainda agora

alguém nasceu
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 13/11/2005
Código do texto: T71193
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8369 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 23:02)
leandro Soriano