Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Uma musa
 
E foi assim que apareceu bendita,
A verdejante, bela e graciosa,
Tão emplumada, densa e bonita,
E que aos céus se estendia airosa.
 
Esta que tinha centenários nobres,
E que foi feita pelas mãos do Artífice,
Cheia de charme e de rios enormes,
A circundar a sua superfície.
 
Chorou os filhos estendidos ao chão,
Pelo ronco de um motor maldito,
E pelo machado na impune mão,
Para o terceiro a executar o delito.
 
Gemeu a fauna agonizante e aflita,
O seu espaço de reprodução,
Onde se via a grandeza explícita,
Hoje se vê apenas um clarão.
 
A poluição que aos céus, hoje, se estende,
Corrói a pele da atmosfera,
Chora veneno e ninguém entende,
Porque pari catástrofes o útero da terra.
 
No oceano as bailarinas tristes,
Morrem no arpão ou bancos de areia,
E ainda que o homem faça seus despistes,
Vai morrer um dia nesta triste teia.
 
Ah que tristeza e quanta agonia,
Sacode os ombros da mãe natureza,
Como se o homem fosse a revelia,
Independente desta grandeza.

 
Edith Lobato
Enviado por Edith Lobato em 27/10/2007
Reeditado em 23/06/2015
Código do texto: T712363
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edith Lobato). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Edith Lobato
Itaituba - Pará - Brasil
192 textos (66044 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 15:42)
Edith Lobato