Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nau do mar de agora, e de onde.

Segue a nau, ao longe olho, tudo borra-se.
Se no convés, levanto a vela, vento sopra
não sei que sentido. Insisto em conduzir a
nau àlgum destino previsto, controlo tudo.
Mas quem conduz-me mesmo é o mar.
Se mar revolto, o leme solto, a vela içada,
a vaga desliza, a minha vista não alcança
terra. Se me desterra a solidão, caminho,
cambaleio no convés. A dez mil pés está
o fundo. Longe estou de ancorar.
E essa tal dessa cigana vida me angustia.
Sinto-me só. Sinto-me sem amigo algum.
Na página branca, borrada ou mal-escrita,
a pena enguiça, falta tinta e o verso torto
está.
Enquanto canto, na janela ao longe vejo
Vida. E, longe de ser pura alegria, sinto
que é falta. Escrevo agora por aquilo que
lá fora eu não vivo.
Onde estão as meninas de minha vida?
Onde estão elas? Onde a menina que se
Entusiasmou comigo? E fez de tudo pra
me ter? Onde é que está?

Arpejo
Enviado por Arpejo em 30/10/2007
Reeditado em 31/10/2007
Código do texto: T716944

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor w o link para o site "www.sitedoautor.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Arpejo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 39 anos
83 textos (3514 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 05:52)
Arpejo