Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CORPO


                                           CORPO


                  Património único do deserdado,
                  É seu corpo tantas vezes sofredor,
                  Por não ser bem alimentado.
                  Raras vezes lhe sente prazer. Quase só dor.

                  Alguns, muitos, nele põem vaidade,
                  Outros nem a mais leve presunção,
                  Porque lhe reconhecem futilidade,
                  De nele depositar tanta ostentação.

                  Corpo, a todos devias mostrar fragilidade
                  Para que sobre ti de reflectisse,
                  Por certo, ganharia toda a humanidade
                  E a inteligência venceria a idiotice.

                  O mundo é tão pequeno para alguns,
                  Que no seu corpo lhe centram as atenções,
                  Esquecem-se de todos e de nenhuns,
                  Muitas vezes são regra, poucas as excepções.
Povo Lusitano
Enviado por Povo Lusitano em 31/10/2007
Código do texto: T717169

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Povo Lusitano
Portugal, 62 anos
311 textos (24318 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 01:27)
Povo Lusitano