Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ode avessa aos utilitários servos cadavéricos.

Nenhum destes discursos me serve mais.
Não, eu não quero ser útil a ninguém!
Não quero ser útil a este ser: a sociedade.
Não quero alimentar esta entidade profana
Nos condicionando, nos transformando em “utilidades”.

“Seja útil. Funcione como uma mercadoria,
Para que as pessoas possam usa-lo.
Seja uma máquina: eficiente e funcional.”
Eles fazem isto há muito tempo,
Convertem pessoas em mercadorias utilitárias.

O que é ser útil?
Tornar-se professor numa escola?
Sim. Você pode destruir belas crianças em nome da educação.
Professores são veículos do passado usados para destruir o futuro.

O que é ser útil?
Tornar-se soldado em um exercito?
Sim. Alguém deve destruir os inimigos fora das linhas imaginarias.
Soldados são pacotes de carne fria usados para proteger nações.

A utilidade que tu me ofereces é sempre destrutiva.
O homem não é um animal social,
Ele não consegue viver bem nem consigo mesmo.
Vivendo por suas doenças egoístas,
Suas necessidades neuróticas, chamadas de desejos.

Com tuas vidas orientadas pelo sabor do dinheiro.
Dinheiro significa utilidade.
Mas alguns inteligentes sabem que o dinheiro não é a meta, não é a medida.
Não sou contra o dinheiro, mas ele não é a meta.
O pão é o meio e não o fim.

Não se meça pelo dinheiro,
Não se prostitua por tão pouco.
Não se mate por uma coisa já morta.
Não consegues ver a doença transmitida por aqueles que são a favor
Desta famigerada sociedade? Eles os estão usando, você não vê?

Por favor, evite ser útil à sociedade.
Não se reduza a uma utilidade.
Ame. Ame por causa do amor.
O amor não é uma utilidade.

O amor é vida. O amor é poesia. Ele é dança.
Viva por causas destas inutilidades.
Viva pela beleza de viver,
Não deixe que o comandem.


Por favor, evite ser útil à sociedade.
Plante uma roseira - chega de Hiroshimas e Nagasakis
Chega de Iraques e Vietnãns. Chega de sangue.
Regue uma plantinha: faca existir no mundo um pouco mais de verde.
Toque um violão: faca que exista no mundo mais poesia.

Não seja útil. Não seja destrutivo.
Esteja consciente e alerta. Dance.
Ame. Ame pela inutilidade de amar.
R C Quaresma
Enviado por R C Quaresma em 31/10/2007
Código do texto: T717403

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite meu nome e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R C Quaresma
Caldas Novas - Goiás - Brasil, 34 anos
234 textos (27526 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 23:35)
R C Quaresma