Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIVA CRISTO REY!

Miguel Agustín Pro aguarda os soldados:
será fuzilado
em alguns minutos.
O fotógrafo se aproxima
e, com presteza,
eterniza o rosto jovem
do padre.
Em preto-e-branco,
permanece o olhar
de quem não renega
a sua fé.

Em trajes civis, padre Pro caminha
para o seu martírio,
a glorificação.
Carrega consigo a certeza do céu
e um crucifixo e um rosário
aquecem-lhe as mãos.

Sem julgamento, condenado,
o corajoso padre abraça o seu destino.
Não lamenta, não chora.
O fotógrafo registra
o espetáculo da morte.

Amanhã os jornais estamparão
mais uma vitória socialista.
Matar um padre é dever,
Para o progresso de todos.
A religião, disse o santo Marx,
É o ópio do povo.
E, em nome da liberdade,
de novo se mata Jesus.

Não se nega um último pedido
a um infeliz condenado
e o padre Pro pede apenas
fazer uma última oração.
De joelhos, encomenda
a própria alma a Deus.
E o fotógrafo registra
a sua suposta vergonha.
Deus não existe,
pensa algum dos soldados,
para quem vai então
essa inútil oração?

Ergue-se o padre
e o pelotão se prepara
para exercer seu mister.
Miguel Agustín Pro abre os braços
e clama a Deus
que perdoe os seus algozes,
cegos que são
pelas brumas socialistas.
Abre os braços em cruz
E aguarda os tiros.

Um último grito
que até hoje ecoa:
VIVA CRISTO REY!

E as balas atravessam o corpo
do jovem sacerdote,
que só queria exercer
a sua fé.
O corpo tomba,
mas ainda não está morto
e um último tiro
(de misericórdia?)
reinicia o plano da Salvação.

Cristo recrucificado?

Nos jornais, estampadas as fotos,
o povo simples católico
escuta o grito do padre.
Queria o governo mostrar
o seu poder, a sua força.

Mas se deu o contrário.

O grito do padre ecoou
com uma força inaudita
e outras gargantas quiseram
também dar esse grito:
VIVA CRISTO REY!

E o povo simples do México
abandona as procissões
e se arma de coragem
para lutar contra a opressão.

Muito sangue mancha o chão
do México católico,
berço de mártires,
de gente pobre e simples
que luta e vive
a verdadeira
teologia da libertação.
Francisco C
Enviado por Francisco C em 02/11/2007
Código do texto: T720748

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.franciscocampos.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco C
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 48 anos
363 textos (25900 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 07:59)
Francisco C