Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Póstumo Escrito

Póstumo Escrito

Me deito em minha Gélida Saudade.
Ó Tenebrosa Distancia que me condena.
Noite, cada noite nebulosa e sem esperança.
Ó tumba marmóreo e fria.

Me acalme, minha alma turva grita.
Me enterre com sua falta de crendice.
Já vejo a sombra dele.
Criatura pagão, nomadi da Miséria e confronto.

A espera dos conflitos.
Para se alimentar de minhas fraquezas.
Corvo, Clausura de cobiça carnívora;
Chuva, molha a terra.

Em meu mausoléu de cobiça confronto me .
Ó corvo lévi minha alma com tigo;
Assim poderei ver mais do sofrimento que sinto.
Já que meu Amor me deixaste por um declínio.

Misero declínio que a vida veio a nos trombar.
Sádica e misera distancia.
Monstruosa e exaustiva saudade;
De horrores oprimentes e mórbidos.

Não resistiu, enfraqueceu, se entrego;
Depois de algum tempo desboto;
Se calou, não falou, faleceu;
Se acabou o Amor, Venceu a distancia.

Póstumo aqui lembro tais memórias.
Ainda seguro as Alianças;
Prata que me mata, mar de solidão.
Carma doloroso poise a minha mão.

Uma gota da sofrida chuva cai em meu rosto.
lembro me de ti, bela e relusenti.
Fecho os olhos, ti vejo, ti abraço e ti beijo.
Me despeso, e lhe deixo com aperto no coração.

Uma lágrima cai, outras a seguem.
Monstruosa saudade, Sádica distancia;
Fez outra vitima, Matou outro amor;
Calou outro coração, Me forjou a solidão.

Allan Andreas
Allan Andreas
Enviado por Allan Andreas em 03/11/2007
Código do texto: T721139

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Allan Andreas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 24 anos
6 textos (134 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 17:51)
Allan Andreas