Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Será

Amarás talvez um dia, breve, fugaz,
Entregando-te em paz?
Amarás a leveza presente em alguém que o belo sente,
A vida, com sua beleza e encanto?
Amarás sem hora marcada, sem agenda lotada,
Só vivendo, sem retorno esperar, amando apenas por amar?
Perguntas que não responderás, pois não mais questionarei,
Não quero confirmar o que de ti já sei.
Não amarás no futuro, pois no passado não amaste.
O presente, obscuro, vives, envolto em frieza,
Respaldado pelas tantas certezas acumuladas, que não te permitem enxergar mais nada.
Escolheste como caminho o verbo matar, mesmo que também venhas a morrer.
Eu, que tanto quis e lutei para te acordar, te mostrar o mundo,
Entregando-te tudo, confesso que cansei.
Hoje, diante desse muro, admito: fracassei.
Ao tentar te amar, meu amor matei.
Só me resta agora enterrá-lo, sem mais demora.
Não perturbo mais, deixo que tu sigas.
Tentarei juntar os cacos da minha vida,
O que sobrou de mim, depois dessa guerra... Fim.
gelbatere
Enviado por gelbatere em 09/11/2007
Código do texto: T729509

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
gelbatere
Uberlândia - Minas Gerais - Brasil, 52 anos
64 textos (1457 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 06:28)
gelbatere