Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"A lamentável desordem que..."

Sei que não sabe, mas esse devastador trota: é efêmero, passageiro; essa é sua prerrogativa existente em mim!
E não há nada mais vulgar, banal, auxiliador do aspecto casmurrento...
Apesar de estarmos a par, arriscamos – digo risco porque é comparável ao escorregar da mão que suporta o corpo e não aguarda muito para encontrar um apoio.
Não é o pior: mas a prolongada, a propósito, noite, a psicológica conturbação – que por sinal é efeito-, o enrijecimento sentimental (“pare: não há explicação!”)...
É uma agonia saber, pensar que a tal ponto possa chegar... Quando não é inacreditável.
Nossa! Que será isso? Mesmo com essa transitoriedade – e quem viveria por muito caso fosse duradouro? -,derruba, espalha suas idéias, captura sua razão (“você agora não está no guiar! Sou eu!”).
Não tente ter uma recuperação a cavalo: não terá, simplesmente.
O melhor a fazer é andar na linha da consciência em sua preponderância racional.
Tente entender, aceitar: é o mais aconselhável!
Está presente em todos pelo menos em uma unicidade!

Alexandre J. Nobre.
Alexandre Nobre
Enviado por Alexandre Nobre em 11/11/2007
Código do texto: T732332

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre J. Nobre). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Nobre
Maceió - Alagoas - Brasil, 29 anos
7 textos (648 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 03:21)
Alexandre Nobre