Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conheces “Sonho de uma Noite de Verão”?

É por isto que a Roda da Fortuna sempre acaba por fazer-se presente:
Necessita, de tempos em tempos, saciar sua fome e mostrar sua face
Para que a ninguém fuja a certeza de que quem tudo controla
É ela, rainha das felicidades e dos desprazeres.

Se um dia estás sentado no topo, não te surpreendas se,
De repente, ela te arranca o que mais guardas de precioso
Para ver-te ao chão, jogado a seus pés, capricho facilmente satisfeito
Quando nos têm aprisionados nas engrenagens de seu viver.

É por isto que agora recorro a Shakespeare:
A Roda da Fortuna me transforma de Hérmia em Helena
E tudo retorna à minha mente com extrema violência e, sei que não deveria,
Mas é a isto que me agarro; às lembranças de algo que não volta mais.

És tu, Lisandro, que hoje sentas no vértice da Roda da Fortuna,
Tu, que um dia tive para mim e que me correspondeu em cada grau,
Cada partícula de sentimento que parecia durar eternamente?
Tu, que também já esperaste por mim, como hoje espero por ti?

É por isto que os antigos momentos contigo, agora de nada valem;
Só assaltam meu peito e latejam em minha mente de Helena deflorada,
Desesperada em busca de vestígios teus, qualquer resquício de carinho
Guardado talvez em algum canto deste teu novo Demétrio-ser.

Helena ocupa-se com o máximo que pode ter e fazer,
Ela tem a visão turva de lágrimas e as imagens de Lisandro e Demétrio
Misturam-se, a confundem, e quando consegue por fim enxugar os olhos,
Sente-se Hérmia novamente e é a Lisandro quem, à sua frente, vê.

É por isto que nada volta, pois a Roda da Fortuna a eleva devagar
Ao topo, para repentinamente a soltar ao solo, dando notícias de que
Nada mudou, era apenas o delírio das memórias e ínfimas esperanças
A pregar-lhe peças, forjar armadilhas para nunca deixar de submissão a ti.

E ao projetar um futuro, como tantas vezes fizemos juntos, nada tem perspectiva,
Porque meu mundo ainda gira ao teu redor, por mais que Hérmia esbraveje e planeje
Também te turvar e confundir para te ter nas mãos, mesmo por breves segundos;
Fingir que ainda possui alguma diferença para ti.

É por isto que enfraqueço e não sei como agir, pois me desarmas toda vez
Te aproximas, e eu te sigo como sempre fiz; por mais que insistas na existência
De um orgulho intransponível dentro de mim. Mas te digo, Lisandro/Demétrio:
Orgulho nenhum cabe, quando és tu que ocupas todo o meu ser.
 
Tentei me enganar pensando em uma continuação sem tua presença;
Uma vida onde só aparecias raramente para ficar junto de mim sabe-se lá até quando,
Mas é impossível se contentar com tão pouco quando já se teve tudo
E hoje tu mal falas comigo, como que aborrecido de mim.

Quantas mais Hérmias e Helenas te cercam por aí? Te contentas agora, já que eu parecia
Não ser suficiente para ti? Enganastes-me e continuas a iludir, simplesmente para
Ter-me garantida se por acaso caíres também da Roda da Fortuna? Pois bem,
Por mais que o ódio me corroa ao dizer isto: estarei aqui para te segurar.
Baldessária
Enviado por Baldessária em 16/11/2007
Reeditado em 30/08/2008
Código do texto: T739284

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o meu nome e link para minha obra original. Obrigada.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Baldessária
Cricíuma - Santa Catarina - Brasil, 28 anos
7 textos (517 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 16:08)
Baldessária