Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
ENQUANTO OS ANJOS DORMEM


Dormem suavemente os anjos,
Eu; absolutamente acordado,
A alma em desalinho – desarranjo,
O ego descompassado.

Ouço o tic-tac dos ponteiros,
Como parecem lentos!
O cheiro da loucura ocupa o quarto inteiro,
Veio nas asas do vento.

Vontade de ser o que eu não sou,
De me explodir na insanidade,
Reacender o fogo que o marasmo apagou,
Desafiar a normalidade.

Vontade de romper os limites,
Voar... Voar... Voar...
Ao encontro do que não existe,
Das grades, me libertar.

Vontade; com o vento ela passa...
Fica a ausência de paz;
E a loucura sorri da vidraça,
Do meu eu estranho – incapaz,

De dar um basta no comum,
Na mesmice das horas,
E senti-la sem medo algum,
Tornar eterno o meu agora.
----------------------
Os anjos continuam dormindo,
Eu Continuo acordado,
Os ponteiros não estão mais retinindo,
No chão; um relógio espatifado.




DELEY
Enviado por DELEY em 18/11/2007
Código do texto: T742328

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DELEY
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
4964 textos (187807 leituras)
4 e-livros (1657 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 18:33)
DELEY