Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ninguém atende

Há um choro fino de cão que ninguém atende
Há uma mãe que chora por seu filho
E ninguém atende

Há uma mão erguida em pedido
que fica vazia
E ninguém atende
Há sempre mais uma prece,
Um rogo
Aquele que implora atenção
E ninguém atende

Há uma lágrima que escorre em plena treva
Ninguém vê
Mas todos a pressente
Há uma lástima ruidosa que percorre
a sala
Há uma leve brisa a acariciar a montanha
Que intrépida permanece erguida em cenário

O que as montanhas pedem aos céus?
O que as mães pedem pelos seus filhos?
O que faz essa mão pedinte
a esmolar pelo caminho?
Para tudo isso
Ainda não tenho respostas

Me falta o gabarito da vida
E nessa infindável maeutica
Vivo a esmolar lógica e sanidade.

Mas tudo é tão insana e insólito
Mas tudo é tão caótico e coerente
Que de paradoxo em paradoxo
Sigo a perceber aqueles que invisíveis
Ninguém atende.

O telefone toca
E ninguém atende
A essa altura o irrespondível
Silêncio é a resposta para todas
As agonias
que cíclicas perpetuam-se,
Multiplicam-se.

Não posso partir
A âncora amarra-me
Porque você permanece
Sob a ilusão do farol.
Se tudo é treva
Se tudo é pedido
que ninguém atende.

Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 21/11/2007
Código do texto: T745564
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gisele Leite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1652 textos (3730714 leituras)
35 áudios (5080 audições)
25 e-livros (143710 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 10:01)
Gisele Leite

Site do Escritor