Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EPÍLOGO

Nem o silêncio sabe de
mim.
Bato a porta na cara das
minhas sensibilidades.
Rasgo a minha pele de tanto
esfregar-me em poemas
ríspidos.
Engulo o ranso das minhas
possibilidades pragmáticas.
Mordo e arranco pedaços
previsíveis,não espero que
o outono carregue as minhas
folhas.
Chego antes do adeus,choro
antes da morte.
Corto os meus pulsos,antes que as
minhas mãos sejam capazes
de atos mais ousados.
Cruzo os meus dedos perante
a fé que por um fio me desalinha.
Cativo a fera que habita em meu
cativeiro sem tréguas,sem
saídas...
Escondo-me da claridade de
ser banal,normal...
Hoje,eu prefiro que a dor
rasgue-me inteira.
Quero estar "viva"
no meu epílogo.
Luciane Lopes
Enviado por Luciane Lopes em 24/11/2007
Código do texto: T750658

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luciane Lopes
Mirassol - São Paulo - Brasil, 46 anos
1215 textos (60419 leituras)
47 áudios (3088 audições)
1 e-livros (120 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 02:09)
Luciane Lopes