Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MINHA CARA ENTRE AS CINZAS (Aos Amores perdidos, aos Amores Achados)

Horizontes perpétuos
Horizontes de amor
Que me hão-de acompanhar
Independentemente do local
Para onde eu for
Esboços
Evanescentes
De batalhas perdidas
Ou como repito um velho quadro recorrente:
Levantar

A minha cara entre as cinzas

Ou porque
Nessa absurda e lógica razão
Que depois de mais uma razia
No coração
Entre os campos íntimos e inofensivos de morte
Onde enterrei mais um afecto
Vislumbro horizontes
De possível glória
Onde continuarei
A contar a minha história

De guerreiro lírico perdido
Guerreiro lírico achado
Que embora só
Só se sente
Quando cria uma presença
A seu lado

Nem que seja
Para passar uma noite
Ou um segundo
Para essa alma
Terei
Todo o Amor do mundo

Que recrio
Estou sempre a recriar
Num rio de sentimentos
Que vem sempre
À poesia
Desaguar

Para um mar de mágoas
E de infinita esperança
Onde remo nas ondas alterosas
Com o desejo de encontrar um pedaço de terra
De céu
Que seja a minha salvação
A minha bem-aventurança

Porque no espaço
Onde me situo
Há imensas estrelas
(e qual delas
a mais bela?)
Tangíveis
Mas ao mesmo tempo inacessíveis
E é nesse jogo
De agarrar essas estrelas
Que são como a areia do mar
Que me escapam entre os dedos
Quando as tento
À minha maneira amar
É nesse jogo
Infinito
De estimar o perene
Essas coisas lindas
Que me recrio eternamente
Retirando eternamente

A minha cara entre as cinzas
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 27/11/2007
Código do texto: T754533

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5145 textos (173363 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 02:41)
Miguel Patrício Gomes