Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desculpa-me, mas odeio insetos


Amanhã será igual...

A vida segue cheia de inexplicáveis gratidões

Beijos molhados e eqüidistantes, contradições.

Desejos boicotados, protótipos, arquétipos

E reticências... muitas reticências.

 

 São portas que se abrem

Janelas que se fecham

Situações corriqueiras

Um grito. Absurdo!

Ninguém ouve. Ninguém vê.

Cegueira convencional.

 

O desencontro, o desencanto é natural.

Tudo um vasto engano

Engodo, que lodo!

Desatino na sacristia, rumores no campanário.

Desfez-se o pacto com a lógica

Amor insano, coerência lírica.

 

E na porta do circo

Gordas mariposas entediadas flanam...

E observam formigas trôpegas

Em pistas exclusivas

Vestidas de arroz com pequi,

Esperando a língua voraz do tamanduá.

Cancelo meus ingressos... Detesto insetos!

 

 

Luciah López
Enviado por Luciah López em 27/11/2007
Reeditado em 26/02/2008
Código do texto: T754836
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luciah López
Curitiba - Paraná - Brasil
1429 textos (76358 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 10:39)
Luciah López