Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A senhora da taberna

No fundo da taberna uma senhora está sentada
penteando os cabelos como uma sereia
só que a pedra é uma cadeira de balanço
e os cabelos não tão longos já são brancos
como uma pedra de sal

Ela inclina os olhos buscando quem sabe
nos cabelos tingidos pelos anos
algo mais além do agora
uma memória
um lapso em preto-e-branco

A senhora não percebe, mas ilumina
- como as luzes dos postes as tristes esquinas;
ou a sereia que dá sentido ao recife –
a penumbra daquela simples taberna

Em seu canto olha pra trás
dos brancos cabelos de sal
Não reclama, não recolhe, não recobra
o mal dos bem-reconhecidos como bons
não chora o leite derramado sobre a paz

Logo será interrompida
por um pouco de arroz e alguns ovos
e assim será desperta pela pressa
das horas que desmancham o tênue hiato
que faz a taberna (que não passa de taberna)
se tornar lugar nenhum
não ter nome nenhum
se esparramar no branco

Boa noite.
E ela é - só - uma senhora

(06/09/07)
Éverton Vidal Azevedo
Enviado por Éverton Vidal Azevedo em 28/11/2007
Código do texto: T756822

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Éverton Vidal Azevedo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Éverton Vidal Azevedo
Bolívia, 34 anos
40 textos (2349 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 19:10)
Éverton Vidal Azevedo