Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desabafo



Decido rotineiramente como um programa de computador
Opero insistentemente
Tento ignorar a hostilidade e a dor
Não há ajuda nesse concreto
Seja do asfalto, seja do silício,
E como emprestaram o nome do que nos infecta
Retomo-o neste artifício

Tão mutantes vírus das angústias
Tão angustiantes vírus das maldades
Porque boicotas os meus planos?
Que largura obténs no teu abstrato existir
Que me atravessas os caminhos que tenho a seguir?
Em qual existência turva me afogas
Se quando me olho nem me reconheço?

Sequer forças para pedir, me resta
Nenhum mísero grão de sanidade existe
Que me evite o círculo centrípeto
a inexoravelmente sugar-me consigo

Forçado a voltar a minha lida
Como quem desfez do que gostava
Como quem sorveu o conteúdo
Do próprio veneno que destilava

Passado o torvelinho tresloucado
Mostrado o que guardava nas entranhas
Prostro-me qual bêbado pernoitado
Deitado na ressaca das façanhas
Edbar
Enviado por Edbar em 30/11/2007
Código do texto: T759344
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edbar www.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edbar
Recife - Pernambuco - Brasil, 66 anos
2960 textos (85644 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 21:46)
Edbar