Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma mulher fatal



Quando vi, não tinha mais jeito
Estava próxima, junto do meu peito
Linda, sensual e provocante
Na beirada da cama tomando assento
Os braços, logo me enlaçando

Com os pensamentos em trovoada
E a ousadia proclamada
Muita coisa invadia o coração
Acreditava que sofria de taquicardia
O peito não continha a alegria
Ai, Jesus! Socorra-me, me dê a mão

Não sabia se olhava, falava ou beijava
Minha indecisão por certo prejudicava
E em meio a tanta indecisão
Sou puxado, com força envolvido
Em beijos, abraços, muito tesão
Despertara minha libido

De repente... Sou sacudido violentamente
Um rosto inchado, olhos vermelhos, incandescentes
Cabelos desgrenhados, um bafo insuportável
No rosto dela uma máscara de raiva
Ouço gritos: “Desgraçado, miserável
Quem é? Quem é a sirigaita?

Seu moço, foi um tremendo bafafá
Correndo, no meio da rua fui parar
Apenas de meias e cueca
Ouvia o povo aglomerado, gritando:
“Socorre, socorre o seu Zeca
Dona Clotide está lhe matando”

Minha mulher berrava e exclamava:
“Cabra da peste, desaforado
Sem vergonha e tarado”
A cada grito, um tapa eu tomava
Dava uma ou duas cambalhotas
Já me encontrava com as pernas tortas

Até que conseguiram conter o furacão
Enquanto esperava a ambulância
Ela me olhava à distância
Esconjurando, gritando cada palavrão
Nada eu ouvia, nada mais me importava
Porém,  o corpo todo sangrava

Juraci Rocha
Enviado por Juraci Rocha em 25/11/2005
Código do texto: T76031

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Juraci Rocha Silva). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Juraci Rocha
São Paulo - São Paulo - Brasil
342 textos (131992 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:20)
Juraci Rocha