Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"COMPADRE BENTO E COMPADRE CHICO"

  Eram dois compadres, cada um mais mentiroso que o outro.
    Encontram-se em um alambique fazedor de cachaça, cada um com uma moringa de cabaça na mão.
    _Ê cumpadre Chico, cumé qui vai?Veio buscá uma cachacinha prá isquentá o peito?
    _Não cumpadre Bento,eu num to
 nem bebeno, essa pinga é prá passá no reumatismo da minha muié.
    _Mintira pura cumpadre Chico, sê tá é doido prá tomá uma.
    _Uai cumpadre Bento, já qui nóis tá aqui, vamo dá um jeito di moiá a guela!
    Tomaram umas três doses e começaram a mentirada.
    _E aí cumpadre Bento, cumé qui vai a sua prantação di mandioca?
    _Uai cumpadre Chico, cê num ficô sabeno não?
    _Não cumpadre, sabeno o quê?
    _Ara sô!Deu muita mandioca lá cumpadre, cê acredita qui eu ranquei elas, botei uns porco lá prá cumê as ramas, fiz uma manga no jeito.A porcada tava magrinha qui só veno!Cê acredita qui nuns três dias, os danado já tava tudo gordinho, e óia qui eu num tinha dêxado muita coisa pra eles cumê não.
    _Mais cumpadre Bento!Se ocê num dexô nada prá eles cumê, cumé qui esses porco ingordaram?
    _Óia cumpadre Chico, cê pode inté num acreditá no qui eu vô te contá, cê cridita qui eu cheguei na manga e tomei o maió susto?
    _Pru causa di quê cumpadre?
    _Cumpadre Chico!Meus porco tinha sumido tudo.
    _Ara sô!Num vai me dizê qui robaro seus porquinho.
    _Cumpadre, eu fiquei percupado!Eu prucurei, prucurei, inté qui eu oiêi pru otro lado do rio e avistei os danado.Aí, eu fiquei matutano!Cumé qui esses porco passaram pro lado di lá?
    _Mais isso tamém é o qui eu tô  quereno sabê cumpadre!
    _Cumpadre Chico...eu cheguei na bêra do rio e vi um buraco di todo tamanho, fiquei dimirado.Eu cheguei bem perto dele sô, aí di repente, sai um leitão correno lá di dentro.Aí eu pensei:eu vô intrá nesse buraco prá eu vê inté onde qui esse trem vai.
    _Ê cumpadre!E ocê teve corage?
    _Rapaiz!Eu fui intrano prá dentro dele, tava um frio danado lá dentro, aí eu fui ino, fui ino...Cê acridita cumpadre, saí do otro lado rio!
    _Ô cumpadre!Mais quem é qui fêiz esse buraco lá sô?
    _Cumpadre Chico, cê acridita qui uma mandioca cresceu tanto, tanto, qui ela passô pur dibaixo do rio?
    _Ara cumpadre Bento!Mais qui danada di mandioquinha crescedera sô!
    _Aí cumpadre Chico, os porco foi cumêno o miolo, da mandioca inté saí do otro lado do rio.
    _Êta cumpadre Bento, mais qui mandioca danada di grande!Cê acridita qui eu fui pescá nesse rio seu aí!
    _É memo cumpadre Chico, ocê num vai vim cum aquelas mintirada di pescadô não né?
    _E eu sô homi di minti sô?Mais cumpadre, peguei minha varinha di anzór e rumei pro ribeirão.Eu fiquei lá o dia intero, os pêxe nem biliscava, eu já tava disanimano, foi quando o trem veio e rááp...deu um puxãoforte e me jogô dentro do rio.
    _Mais qui raio di pêxe grande hein cumpadre Chico!
    _Cumpadre Bento, o pêxe saiu mi arrastâno pro rio acima e eu fui atráis dele tarracado na vara di anzór.
    _Óia cumpadre!Intempo dô cê afogá hein!
    _Esse pêxe, cumpadre Bento, mi arrastô uns cinco quilômetro, até qui ele cansô e viro di barriga pra riba.
    _Mais qui diaxo di pêxe forte era esse?
    _Era aquele tar di dôrado sô, esse era maió du qui eu, pesava uns trinta quilos e o bicho tava di barriga cheia.
    _Esse pêxe era grande assim memo cumpadre Chico?
    _Se era...!Cumpadre Bento, cê lembra dum monte di pêxe qui eu mandei pr’ocê fazê aquela pêxada di fim di ano prus seus impregados?
    _Se me lembro...Era cada pêxão!
    _Pois é cumpadre, tirei tudo da barriga daquele dôrado.
    _Sabia cumpadre Chico, qui ocê falano em impregado, mi feiz lembrá du dia qui eu tava tratorando lá nu meu cafezár.Meu tratorista fartô e eu tinha qui batê o mato du meio dus pé di café, deu a hora du armôço, isquentei a marmita, armuçei e veio aquele sono danado.
    _E ocê tava sozinho cumpadre Bento?
    _Tava, e os meus zóio já tava preganu, eu já tava morto di sono!Eu oiêi pru lado i avistei um tronco roliço, e como eu tava cansado dimais, deitei e fiz ele di travissêro.
    _Êta vida boa cumpadre Bento!Armoça, dispois deita e dorme!
    _Cê qui pensa cumpadre!Eu tava cochilano, quando eu sinti meu corpo pulano prá cima e pra baixo.Aí então eu sartei de banda, peguei meu chapéu di paia e bati prá tudo quanto era lado, assustado.
    _Uai cumpadre!Tava cum medo di quê?
    _Sô cê visse nu qui é qui eu tava deitado, ocê tamém ia ficar do memo jeito, e óia se num ia ficá todo borrado!
    _Mais cumpadre, ocê num tava deitado inriba dum tronco?
    _Tronco o quê cumpadre!Quando eu vi nu qui é qui eu tava deitado, meu coração quase qui pulô prá fora du peito.Cê tinha qui vê o tamanho da sucuri qui eu tinha deitado inrriba!
    _E o qui é qui ocê feiz cumpadre?
    _Uai!Saí corrêno, cê acha qui eu sô bobo?Corri qui nem um cavalo, subi inrriba do trator, liguei o disgramado, passei a marcha, acelerei, mais ele nem mexeu du lugar.
    _ÔÔÔ cumpadre Bento!Cê ligô o tratô, passo as marcha, acelero, e ele num saiu du lugá pur quê?Quebrô a imbreage?
    _Qui nada cumpadre Chico!Antes fosse!Acredita qui uma cascavel inrrolô na alavanca di marcha du tratôe dexô só a cabeça pra cima?Eu na ânsia di saí correno, apertei foi a cabeça da danada da cascavel achano qui era o trem das marcha.
    _E ocê acha qui eu vô acriditá numa história dessa cumpadre Bento?E a sucuri, qui fim ela levô?
    _Cumpadre, a sucuri já tava inrriba du pneu grande do tratô, pronta pra mi dá um bote!
    _E o qui é qui ocê feiz sô?
    _Ara!Eu num tava sigurano a cascavel?Pensei rápido e joguei ela dentro da boca da sucuri, só assim qui ela foi embora, graças a Deus!
    _Mais qui sufoco heim cumpadre Bento?
    _Nem mi fale cumpadre Chico, nem mi fale!
    _Cumpadre Bento, ocê falano das cobra correno eu lembrei da ponte qui caiu lá no rio!
    _Mais o quê qui tem a vê as cobra cum a ponte, cê ta ficano doido?
    _Não cumpadre!É qui a corredera du rio é qui dirrubô a ponte.Num tinha jeito di passá pro ôtro lado, e na bêra du rio tinha uns eucalipto di todo tamanho.
    _Purquê qui ocêis num cortô ele e colocô nu lugá da ponte uai?
    _Ispéra só, cê vai vê o qui é qui aconteceu.Cê acridita qui a gente já tava sem água di beber, a cumida já tinha cabado e nóis tinha qui travessá o rio?Foi quando o tempo iscureceu e virô um brêu só, era raio prá tudo quanto era lado!
    _Mais e aí cumpadre Chico, num tô intendeno nada?
    _Cumpadre Bento, nóis num tinha tempo prá fazê uma ponte, e tinha gente prá passá prá lá e gente prá passá pru lado di cá.Nóis tava disanimano, aí dispencô um raio daqueles brabo, pegô nu meio certo dum eucalipto, rachô ele nu meio certo e ainda  jogô ele bem no lugá onde era a ponte, prá nóis num teve nada mio.
    _Êta raio nu lugá certo cumpadre!Esse raio tá pareceno o qui caiu perto di mim um dia desse.
    _É cumpadre, intão mi conta essa história sô!
    _Cumpadre Chico, eu tava ispiano us urubu na bêra dum pricipício e tava um tempo iguarzinho o seu, preto qui nem carvão, mais num tava chuvêno não, cê cridita qui veio um vento e apagô o meu pito di páia?
    _E aí cê acendeu ele di novo?
    _Di qui jeito, tinha cabado o fruído du meu isquêro, e eu num tinha mais nada prá cendê ele não.
    _Intão cê fico sem pitá?
    _Cê qui pensa, eu tava cum a bituca na bêra dus beiço, vêi um raio, passô só na pontinha du pito di páia e rááp...acendeu ele na hora!
    _Vixe!E o raio cumpadre?Caiu onde?
    _Lá imbaxo num eucalipto perto di uma ponte quebrada.

Belchior Contins
Enviado por Belchior Contins em 25/11/2005
Código do texto: T76032
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Belchior Contins
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 50 anos
46 textos (3955 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:57)
Belchior Contins