Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viajante do Amor

esse viajante náo partiu imediatamente
continuou o que havia começado pela amanhã
era preciso mudar sua direção para o mar
ver as crianças brincar durante á maré alta
era algumas das respostas desta questão
um mundo sem fronteiras com falta de amor
ambos vivemos no mesmo mundo global
lembro que tinha um garoto recém-nascido
hoje não usa faixa na barriga para não chorar
prevenir contra a chegada de um passarinho
equivale a dar as costas para uma alma
lá no fundo meu coração esta sangrando
por algum tempo eu era uma bola perdida
se já é dificil entender as mulheres
era vitima deste amor maluco por que não?
fluxo da ação você quer dizer sem calça
posso dirigir meu carro sem a piada chata
estou vendo que você é um palhaço
não consegui entender muita coisa
é outra escolha dura para meu coração
uma das vozes mais linda que escultei
sem jamais seguir seu caminho de casa
vibrante era seus cabelos contra o vento
depois deste enfarte fiquei sabendo amor
eu pedia calmante para dormir com você
foi como aconteceria em seguida coisas
uma verdadeira gema de ovos flutuantes
carinhosamente lhe disse: toque uma musica
levou um tapa mais descontráido a pensar
sentiu isso na pele ao quebrar o dedo no sofá
impossivel fazer o bem ao coração partido
durante toda sua vida passou em duas horas
alguém que pensa e vive assim apaixonado
no fundo toda minha existência era você
vem fazer um retrato de corpo inteiro
deste maravilhoso corpo de mulher de tabus
apareceu nua na mais importante vitrine
sobre suas aventuras em seu tempo de moça
paixão desmendida pelo meu coração
porque sinto que não tenho nada a dizer
eu já era gordo no final da vida por amar você
elegante no leito de morte um viveiro de passaros
o que a de humano dentro do coração nada
que de longe parece uma mosca morta
muitas vezes presa o contexto do amor
conserva o azeite com o chocolate na mesa
guardavam cestas de bolachas no armario
esperando que revela-se toda minha vida
comer fora de casa para beber o licor
mangava sobre meu chapéu de palha
faziam a alegria das crianças do bairro
garantia o milagre da familia sem querer
além do mais era o tempos de partir
para uma pacata cidade perdida no céu
ai estava um escravo da carne sem alma
uma amarrada fundamental para entender
como um amor pode durar para sempre
so era preciso um beijo seu para dormir
ninguém conseguiu apagar esta paixão
era somente um dos ramos da imaginação
sabe qual é a ultima frase desta vida
sofri com a morte como se fosse minha
não há outra forma de amar você meu amor
a tortura do desejo e do medo de perder
minha surpresa era meu coração te esquecer
mas eu sei que vou te amar na cidade do sol

Edilley Possente
Enviado por Edilley Possente em 03/12/2007
Código do texto: T762913
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edilley Possente). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edilley Possente
São Paulo - São Paulo - Brasil, 51 anos
632 textos (25403 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 13:38)
Edilley Possente