Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Entre o ator e o cenário

  Tudo começa (-Hunf! Parece até uma grande história...) com um material meu que venho a selecionar para um concurso de hai-kais lá no Japão.
  O engraçado aí é que dos 55 filhos, que ansiosamente já recrutava, hei-de excluir 50 apenas(...), vejam só: Que praticidade a do povo japonês!
  Quanto a mim, só engrandece o desafio!!
  Agora, o que fiz? Simplifiquei ao máximo a pontuação, extraditei títulos (já de fato não tão necessários à minha cartola) e quase todos os parênte(si)s possíveis, substituí os dois pontos (em mim tão constantes) pelo travessão (característica do kirê), torci pescoços ...e pelo Botafogo, fiz o Diabo ...e ainda quase fui-me ao harakiri!
  Pois bem, para um concurso como este, o que mais pesa é, não sabia por que razão, o hai-kai (o Homem interagindo com a Natureza) e não o senryû (o Homem interagindo com Ele próprio).
  Aliás, o senryû, pelo que me sopraram, tem geralmente veio cômico, frugal..., lembrando, por conseguinte, até mesmo o tanká, tão antigo!
  Daí, entre a Natureza (tão sóbria e concisa) e o Homem (por muitas vezes cambaleante), prefere-se no Japão à Natureza. Pois é mais confiável! E é deste ponto que almejo partir, porque dos meus 5, ditos senryûs, um (em particular) me chamou por demais à atenção – Este aqui:
 
Eu me visitando -
Uma borboleta azul
Por sobre meu túmulo.
 
Bem, agora, você aí do outro lado se pergunta: "Oxe, por quê?", se nordestino, e "Pô, meu... por que aí?!", se paulista! E é verdade. Pois que terá de tão novo este poema? Nada, para ser franco! Porééém, se aqui fizermos uma aparentemente insignificante inversãozinha...:
 
Por sobre meu túmulo,
Uma borboleta azul -
Eu me visitando.
 
Muda muita coisa? Hm... Sim? Não? Pela perspectiva das curvas (a que já fiz, certa vez, tímida referência), muda, sim!
  Então, se sacudirmos o poema, veremos: O primeiro inicia-se de um modo abstrato ...diria, até surreal; depois (primeira curva), a inusitada imagem de uma borboleta azul, aumentando, com isto, ainda mais a abstração; mas logo em seguida (segunda), a tão esperada conclusão: Um túmulo, que é definitivamente o fim de todo o mistério.
O segundo verso tem vôo ou início mais concreto (Pois parte ele de uma imagem, comum até, onde pousaria ou não uma borboleta – Uma fotografia insinuante, é claro!) e pouso ou final, por fim, metafórico (Visita-se o Homem, já n'outra vida ou não!).
  Agora, até onde vão as características que determinam ser no caso o pouco falado senryû e as que determinam o tão famoso hai-kai?
  Se a Natureza é apenas mero pano de fundo, é senryû e se não, é hai-kai?! Sem piadinhas, o questionamento chega-me a inquietar – Há muitos concursos lá no Japão e não quero visitar-me assim tão brevemente!
 
a 23-10-06
Luciano Almeida
Enviado por Luciano Almeida em 03/12/2007
Código do texto: T762981

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luciano Almeida
Teresina - Piauí - Brasil, 38 anos
957 textos (39416 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 18:15)
Luciano Almeida