Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

È proibido sonhar

Dia 25 de setembro de 1995
Para TV gazeta telefonei
De um número passou para outro
Até que eu encontrei
Com a digna jovem Tereza
E com ela conversei

Com ela comuniquei
Lhe pedi com humildade
Um patrocinio cultural
Para o teatro felizidade
Com a peça proibido sonhar
Disse, ela estar bonita de verdade

Lhe peir que queria tanto
Que a gazeta fosse filmar
Para que nosso trabalho
Fosse conhecido em todo lugar
A gazeta sempre dá cobertura
A quem vai lhe procurar

Ela é pessoa de alto nivel
Chefe de grande repartição
Atende a todos os chamados
Que liga para televisão
Só se não for mesmo possivel
Ela não dará atenção

Mas ou menos as 19 horas
No teatro Carmelia foram chegando
Os componentes da TV gazeta
Com o professor foram comunicando
Ao lado com muita atenção
A Assistente social acompanhando

Conversaram alguns minutos
Recebendo explicação
O Eleazar muito feliz
Dando toda atenção
Tudo é, para os aposentados
Terem sua participação

Nossa assistente social,
Esta nem posso falar
Ela ficou tão feliz
Com a jovem Sucem a conversar
Pôr saber que pelo seu esforço
Estar vendo a 3" idade brilhar

A jovem Sucem ao chegar
Tudo fez para agradar
O filmador começou
No camarim a filmar
A faxineira Lili
Foi a escolhida para entrevistar

Eles entrevistaram alguns colegas
Eu, não fui entrevistada
Mas fiquei muito feliz
Porque pôr mim eles foram convidados
Pôr tudo isto quero dizer
A jovem Tereza muito obrigado!


1" exibição do teatro felizidade
Foi em setembro do ano passado
Dando exemplo de uns filhos
Que de casa foram expulsados
Encontraram meninos de rua
Logo ficaram marginalizados

Primeira peça festival de primavera
Segunda proibido sonhar
Tudo sob a direção
Do professor Eleazar
Pôr esta sua criatividade
Quero o parabenizar

Foram as senas mais importantes
Que a gazeta filmou
Com isso o teatro felizidade
Já conhecido ficou
Peço para todos da TV gazeta
A benção do Redentor

Quando começou o espetáculo
Da peça proibido sonhar
A faxineira entrevistada
Foi a primeira a apresentar
Depois entrou o Negão
A noticia ficou no ar

A cigana pôr sua vez
Com o patrão encontrou
Tomando a sua frente
Tanto fez que o consultou
Avisou que a esposa o traia
Mas ele não acreditou
Quando ele saiu de casa
Pelo Negão ele passou
A esposa abriu a porta
E o negão ela abracou
O café ainda estava na mesa
O pattrão saiu  o negão chegou

Era apens cinco personagem
A peça proibido sonhar
Com criatividade de Eleazar
Com  deseseis entrou no ar
Todas pessoas de terceira idade
Na sociedade a brilhar

A peça foi comecda
Com a faxineira a trabalhar
Depois entrou a secretária
Para os vigias acordar
Ela também, pôr sua vez
Para colega foi telefonar

Antes dela terminar
O patão já  vinha chegando
Ela despediu-se da colega
Logo o telefone foi desligando
O patrão chegou tão nervoso
Com a secretária falou gritando

O patrão chegou no escritório
Tirando onda de machão
Falou tão alto com a secretária
Que ela ficou sem ação
Ele nem pensava que a esposa
A outro entragava seu coração

Ele mandou a sectária
Marcar urgentemente
Passagem no 1" voou para São paulo
Ele tinha que viajar imediatamente
Pôr causa deste tal plano real
Ele estava quase sem cliente

A copeira com humildade
Vndo aquela confusão
Entrou no escritório
Com a bandija na mão
Pôr levar um grande susto
O café caíu en cim do patrão

A agente da Vag ,era surda
Da Vaspis gaga que confusão!
A secretária muito  nervosa
Para marcar  viajem para o patrão
Depois de tudo confirmado
O patrão, toma outra descisão

O vigia tanto insistiu
Para com o patrão  falar
Ele sonhou que o avião caia
Ao patão queria avisar
O voo era setecentos e treze
Justamente o seu número de azar

O patrão com muito medo
Mandou a viajem canselar
Pôr acreditar em nostradamos
Não ia mais viajar
A cigana, o vigia, o horóscopo
Todos dizia ,713, número de azar

Pouco depois das treze horas
Cid MOleza  falou na televisão
O voo 713, chocou-se com urubús
O avião caiu no chão
Se não fosse o sonho do vigia
A firma ficava sem patrão

O patrão falou com a secretária
Mande chamar o vigia
Isto já era na manhã
Ao raiar do novo dia
Uma gratificação, uma demissão!
Ao coitado de seu Ananias

Seu Ananias muito triste
Falava com o patrão
Eu salvei a sua vida
O Sr. me dá demissão ?
O patrão disse, o sr, dormiu !
Veja se eu não tenho razão !

Foi assim que terminou
A peça é proibido sonhar
Quero agradecr a Valia
PÔr esta alegria nos dar
Agradeço a TV gazeta
Que a terceira idade veio filmar


Aos dirigentes da valia
Quero agadecer e parabenizar
A jovem Tereza da TV gazeta
Que mandou sua comitiva filmar
Agradeço a assistente social
E ao digno professor Eleazar

Não esquecendo a Pós Vale
Que deu grande colaboração
A desportiva ferroviária
Seu Club, sempre a disposição
A todos colegas de trabalho
Que vencemos com paz e união

Em nome de todos colegas
Do grupo de teatro felizidade
Agradeço a Valia em 1" lugar
Pós Vale desportiva na ralidade
Antes da valia, aposentados, e pensionistas
Não era visto na sociedade


Cobi 28 de novembro de 2005

Maria Cipriano Celestino
Poetiza Zizi               Fim
ZIZI CELESTINO
Enviado por ZIZI CELESTINO em 30/11/2005
Código do texto: T79058
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ZIZI CELESTINO
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil, 88 anos
40 textos (28413 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:57)
ZIZI CELESTINO