Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FIGURAS ESTRANHAS EM UMA NOITE SUJA

HÁ NOITES EM QUE A LUA SE OCULTA
E AS ESTRELAS SE NEGAM A ILUMINAR
E NÓS, COMO CEGOS NO LIMBO
TENTAMOS SEM DEUS,CAMINHAR

NA PENUMBRA DOS SONHO PERDIDOS
NAS NÉVOAS ESPESSAS DA ILUSÃO
NENHUM SORRISO,NENHUM BEIJO NOS ESPERA
NENHUM TOQUE DE MÃO

É UMA NOITE ASSIM MEUS AMIGOS
QUE PASSO A DESCREVER
NOITE SEM ESTRELAS,UM DILÚVIO
NADA DE BELO PRA VER

DEBALDE TENTAVA MINHA TRISTEZA AFOGAR
SOZINHO, BEBENDO, NUM CANTO DE BAR
EIS QUE ,DE UM ESTRANHO PESADELO
SURGE UM LOUCO ME APONTANDO O DEDO
DIZENDO ME CONHECER HÁ MUITO, DO MORRO
QUE MORRO??? EU QUASE DE SUSTO MORRO
FIGURA MACILENTA, ROSTO CHUPADO
PALAVRAS INSANAS, OLHAR TRANSTORNADO
SENTA NA MESA E ME DIZ QUE LHE É FACIL SER FELIZ
FUMAÇA NA MENTE E PÓ NO NARIZ
ELE JURAVA QUE EU O TINHA AJUDADO NUMA FITA
FITA??? SEI LÁ ...NUNCA O VI NA VIDA
QUERIA ME DEFENDER
DEFENDER EU??? DO QUÊ???
DISSE TER PASSADO OITO ANOS NA PENITENCIÁRIA DE BAURU
EU QUASE O MANDEI TOMAR NO CÚ
MAS QUANDO O VI COM O BERRO NA CINTURA
RESOLVI MUDAR MINHA POSTURA
DIVIDI COM ELE MINHA BREJA
DEI-LHE CONSELHOS
ELE JUROU IR ATRÁ DE QUEM ME DEVIA
DISSE-LHE QUE NÃO VALIA
A LIBERDADE ERA TUDO QUE LHE RESTAVA
NUM MUNDO EM QUE NADA PRESTAVA
QUIS BEBER OUTRA, QUIS ME DAR UM REAL
PRA DEPOIS O LEVAR NO MORRO
FINJI PASSAR MAL
EU NA BOCADA SOZINHO
NEM A PAU

ERA UMA NOITE ESTRANHA
COMO ESTRANHO PESADELO DE NÉVOA COBERTO
MÃO INVISÍVEL A SUFOCAR MEU GRITO
NÃO CONSIGO ACORDAR...UM ESPECTRO

FIGURAS ESTRANHAS EM UMA NOITE SUJA
TÃO SUJA QUANTO A PUTA NA BEIRA DO CAIS
VISÃO DO INFERNO..UMA BRUXA
E AINDA COBRANDO DEZ REAIS

QUANTO LIXO NAS RUAS,MISÉRIA
QUE NOITE INFELIZ
CASTIGA-ME CHUVA
LAVA-TE MERETRIZ

DO OUTRO LADO DA CIDADE
BEBENDO, NUM BALCÃO DE BAR
A MENTE BOIAVA Á DERIVA
ME AFOGAVA EM ALCOOL,NUM MAR

EIS QUE APARECE UM ANJO
NÃO ERA SONHO...EU BEM SEI
ERA A ÍNDIA JUREMA
A QUEM NUNCA TEREI

QUE OLHOS, QUE ROSTO
QUE CORPO, QUE TUDO
DEPOIS DE LUCIANA
ÉS A SEGUNDA DO MUNDO

SE ELA ME VIU...NÃO SABERIA DIZER
ME AFOGAVA EM COPOS...BEM AGORA
QUE PENA..A PERDI
NEM A VI IR EMBORA

NUMA NOITE ASSIM,ENTREGO MINHAS ARMAS
RENDEREI-ME AO SONO,TODO MAL HÁ DE PASSAR
QUE O NOVO DIA,POR DEUS,NÃO OCULTE
FIGURAS QUE A NOITE IRÃO ME ASSOMBRAR
fabiano muniz
Enviado por fabiano muniz em 03/12/2005
Reeditado em 12/02/2006
Código do texto: T80521
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
fabiano muniz
Santos - São Paulo - Brasil, 41 anos
44 textos (7451 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:50)
fabiano muniz