Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Saúde de ferro

Saúde de ferro

Vejam todos os presentes
Que pensamentos de horror
Ao passarmos dos setenta
Chegamos à fase do "condor".

Nadando pelo imenso rio
Fugindo do faminto jacaré
Subi no tronco flutuante
Pois estava com dor no pé.

Fugindo doido sem rumo
Fui bicado por um forte galo
Comecei a andar devagar
Caminhando com dor no calo.

Caminhando pelo deserto
No lombo de um alto camelo
Desci da sinuosa corcova
Estava com dor no tornozelo.

Correndo pelo meio do mato
Perseguindo um gordo coelho
Sentei numa pedra lascada
Pois estava com dor no joelho.

Postei-me estático sem piscar
Contemplando o olhar da mocha
Logo tive de abandonar a pausa
Pois estava com dor na coxa.

Estiquei o frágil esqueleto
Ouvindo o canto do periquito
Logo senti a perna dormente
Fiquei com dor no "pirulito".

Levantei-me tendo rasgado
A calça de pele de carneiro
O vento frio que penetrava
Deixou-me com dor no traseiro.

Passei com mais cuidado
A seguir a pequena formiga
Mas logo a deixei sozinha
Gemendo com dor de barriga.

Passei ao largo de um cercado
Onde ciscava uma alegra galinha
Não me atrevi a curvar-me
Podia ficar com dor na espinha.

Vou procurar evitar o mar
O lar natural do tubarão
Pois com toda certeza
Ficarei com dor no pulmão.

Já estava com algum receio
De encontrar ruidoso leão
Pois assim com toda certeza
Eu ficaria com dor no coração.

Resolvi subir numa árvore
Seguindo um peludo macaco
Desisti logo da aventura
Estava com dor no sovaco.

Esbarrei num animal menor
Que identifiquei como anta
Deixei-o sozinho na trilha
Tossi com dor na garganta.

Peguei minha leve câmera
Para filmar uma alegre perdiz
Mas o movimento delicado
Deixou-me com dor no nariz.

Chegando num belo pasto
Passei a fitar uma ovelha
Mas pelo frio que fazia
Fiquei com dor na orelha.

Fui para a beirada da lagoa
Observar a estática perereca
Mas a chuva grossa que descia
Deixou-me com dor na careca.

Andando a passos bem lentos
Ao lado da veloz tartaruga
Por incrível que lhe pareça
Fiquei com dor na verruga.

Até que finalmente esbarrei
Num rosado e gorducho porco
Rapidamente dele me afastei
Pois estava com dor no corpo.

O corte onde jorrou o sangue
Similar ao esguicho da baleia
Me desacordou na relva fria
Acordei com dor na veia.

Já estou fazendo uma prece
Para não encontrar um cachorro
Pois da forma que estou falido
Se isto ocorrer agora, eu morro!
Haroldo
Enviado por Haroldo em 10/12/2005
Código do texto: T83773
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Haroldo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
678 textos (24810 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:28)
Haroldo