Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Madrugada

Quieta e silenciosa
É a madrugada
Ruídos, passos, movimentos
Agora dá pra sentir, é madrugada
Sol da meia-noite não tem aqui
É preciso enxergar além das estrelas

Ouço vozes do além
Talvez esteja em minha morada
Ou também pode ser alguém
Me armando uma cilada
Estou tranqüilo porém,
Atento na madrugada

Preciso quebrar essa rotina
Virei escravo da cafeína
Dois amigos numa mesa
Uma cerveja na mão cada
E lá se vai outra madrugada

Computador ligado
Estou amarrado
Cliquei, consegui, estou dentro
Conversa e leitura
Distração e cultura
Sempre ligadas
Opa, apareceu pornografia
Fecha e volte a fazer sua monografia
Caiu a conexão
Reconectando, tentando, andando
Mudando de assunto
Café da manhã
Queijo ou presunto

Sigo preso às letras
Não consigo parar
Olhos correm velozes em busca de um porquê
Só acha quem procura e este alguém é você
Conversam animadas
Duas mães com um filho cada
Ora pois:
Mais uma madrugada

Olheiras profundas no grande vira-mundo
Antes um poeta do que um vagabundo
Por opção ou não, roda no grande mundo
Baixando meio tom, como um bemol
No mesmo refrão, levantou-se o sol
E deu fim na ligada, cansada e tão esperada
Madrugada.
Segundo Lipe
Enviado por Segundo Lipe em 20/12/2005
Código do texto: T88727
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Segundo Lipe
São José dos Pinhais - Paraná - Brasil, 31 anos
6 textos (164 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 23:52)
Segundo Lipe